VGIA11: Conheça o Fiagro CRA Valora que investe em recebíveis do agronegócio

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

VGIA11 é o código do Fiagro CRA Valora, novo fundo de investimento nas cadeias produtivas do agronegócio (Fiagro) da gestora Valora Investimentos que investe em certificados de recebíveis do agronegócio (CRAs).

Aqui no Blog do Grana, você terá informações sobre essa novidade listada na Bolsa (B3) e os riscos deste tipo de aplicação financeira.

Confira na sequência do texto:

Onde os recursos do VGIA11 Fiagro CRA Valora são aplicados

O objetivo do Fiagro da Valora é a obtenção de renda e ganho de capital a serem obtidos mediante a aquisição de ativos financeiros de origem agroindustrial.

De acordo com sua política de investimentos, o Fiagro CRA da Valora aplica os recursos principalmente em certificados de recebíveis do agronegócio (CRAs).

Entre os ativos-alvo estão: recebíveis de frigoríficos; de distribuidora de insumos; de cooperativas de grãos; distribuidoras de biocombustíveis; de usinas de açúcar e álcool.

Esses recebíveis-alvo pagam juros do certificado de depósito interfinanceiro (CDI) mais um prêmio (ganho extra) entre 3,5% e 7% ao ano.

O prazo de duração dos recebíveis oscila entre 36 meses (3 anos) e 48 meses (4 anos).

Assim com outros fundos de recebíveis do agronegócio, mesmo com esse perfil de ativos-alvo na carteira não há garantia que o Fiagro entregará ganhos entre CDI+3,5% ao ano e CDI +7% ao ano.

Esses valores são um indicativo para a busca de rentabilidade, por isso, a denominação “alvo”.

Declarações sobre a oferta pública do Fiagro da Valora

De acordo com informações da Valora Investimentos encaminhadas ao Blog do Grana, a gestora concluiu a captação de R$ 100 milhões em dezembro de 2021.

O Fiagro de papel busca retorno de CDI mais uma taxa de 3,5% a 4%. O foco da carteira são operações de financiamento da cadeia de insumos emitidos por cooperativas, tradings e distribuidores.

De acordo com Guilherme Grahl, associado da gestora com mais de 20 anos de experiência no agronegócio, uma das vantagens dos Fiagros é a maior resiliência do setor às turbulências da economia.

“O fato de ser um segmento exportador e o valor crescente das commodities agrícolas fundamentam este cenário, o que aliado à vocação do país para a agricultura, justificam o crescimento desta indústria mesmo em períodos de crise”, afirma Grahl.

Guilherme Grahl, associado da Valora. Foto: Divulgação/Valora Investimentos

Quais são os riscos do Fiagro CRA Valora

De acordo com o prospecto registrado na CVM, os riscos do Fiagro CRA Valora são diversos:

  • risco de mercado
  • risco de crédito
  • risco de liquidez
  • risco de volatilidade na Bolsa
  • riscos tributários
  • riscos relativos ao pré-pagamento por parte dos devedores e amortização extraordinária de ativos
  • risco de desempenho passado não se repetir no futuro
  • risco de concentração de renda
  • e outros riscos

Vale completar que o Fiagro possui risco de insegurança jurídica por se tratar de um fundo de investimento recém criado pela Lei nº 14.130, de 29 de março de 2021.

O Fiagro ainda não possui uma norma específica expedida pela CVM para regulamentação, adotando de forma provisória a Instrução nº 472 da CVM.

Por isso, as regras e procedimentos atualmente adotados para o Fiagro VGIA11 poderá vir a ser alterada e, consequentemente, afetar negativamente os cotistas.

Além disso, por se tratar de um mercado recente no Brasil, o Fiagro ainda não se encontra totalmente regulamentado e com jurisprudência definitiva, podendo ocorrer situações em que ainda não existam regras que o direcione.

De acordo com o prospecto isso acaba gerando uma insegurança jurídica e um risco ao investimento em Fiagro.

Em outras palavras, uma vez que os órgãos reguladores e o Poder Judiciário poderão, ao analisar o Fiagro podem editar normas que regem o assunto ou interpretar a regulamentação atual de forma a provocar um efeito adverso sobre o Fiagro.

Ou seja, há o risco dos reguladores e da Justiça em proferir decisões que podem ser desfavoráveis aos interesses do investimento em Fiagro, o que em qualquer das hipóteses, poderá afetar adversamente o investimento, e impactar, por consequência, as cotas do fundo e seus cotistas.

Fiagro na Bolsa: Qual é primeiro fundo do agronegócio listado na B3

Imposto de Renda sobre ganhos de capital

Os proventos (rendimentos e dividendos) do Fiagro CRA são isentos do imposto de renda (IR).

No entanto, os investidores não estão isentos do imposto de renda sobre ganhos de capital.

Ou seja, se você compra a cota num valor mais baixo e vende depois num valor mais alto, precisa pagar o IR sobre essa diferença positiva por meio de um DARF até o dia 30 do mês seguinte.

O Fiagro segue a mesma tabela do IR aplicada aos fundos de investimento imobiliário (FIIs).

Para resolver essa questão do IR automaticamente, acesse o link abaixo:

IR da Bolsa: Como resolver automaticamente

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App