Brasil sobe degrau na nota econômica | Por Murillo Torelli

Brasil sobe degrau na nota econômica

“Brasil sobe degrau na nota econômica, mas governo Lula enfrenta muitos desafios”. Artigo de Murillo Torelli, Professor de Contabilidade Financeira e Tributária no Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA) da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), encaminhado ao Blog do Grana.

CLIQUE AQUI ou abaixo para baixar o aplicativo Grana:

“A recente elevação da nota econômica do Brasil pela agência de rating Fitch trouxe um sopro de otimismo, porém é imprescindível aprofundar a análise e destacar os desafios críticos enfrentados pelo governo Lula em sua gestão. Temos que nos atentar à gestão econômica do governo e criticar sua abordagem intervencionista, a falta de prioridades nas relações internacionais e o discurso político agressivo. As melhorias econômicas do país exigem mais do que uma nota elevada, requerem uma governança sólida e responsável.

As agências de classificação de risco têm um papel relevante na avaliação da confiabilidade dos títulos de dívida, influenciando diretamente a credibilidade do país nos mercados financeiros. Contudo, apesar da melhora, nossos títulos ainda são considerados especulativos, refletindo a vulnerabilidade da nossa economia e a fragilidade das políticas adotadas pelo governo Lula.

Embora a Fitch tenha apontado uma percepção melhorada das contas públicas, é fundamental questionar a solidez desses avanços. A evolução do arcabouço fiscal e a reforma tributária são avanços necessários, mas as pressões constantes por políticas intervencionistas e o estímulo ao aumento dos gastos públicos e da dívida acendem alertas para a sustentabilidade desse progresso. Um voo de galinha, caracterizado por crescimento efêmero e instável, é um risco real que a gestão Lula parece negligenciar. Além disso, a falta de redução dos gastos públicos e a busca incessante por fontes de arrecadação tributária apontam para uma gestão pouco responsável com os recursos do país.

A agenda internacional do governo Lula tem sido questionável. A busca por liderança em eixos multilaterais parece mais retórica do que ações efetivas, resultando em poucos benefícios concretos para o país. O distanciamento da OCDE, que tem sido uma prioridade global, revela a falta de visão estratégica em relação a parcerias essenciais para o desenvolvimento econômico brasileiro. Ademais, o apoio a governos totalitários tem isolado o Brasil no cenário internacional, afastando potenciais parceiros comerciais.

O governo Lula enfrenta desafios políticos que incluem um Congresso fortalecido e menos dependente do Executivo. A abordagem agressiva do discurso eleitoral persistente tem dividido o país e afetado negativamente o ambiente político e social. O foco excessivo em programas de governos passados, como Minha Casa, Minha Vida e Bolsa Família, ao invés de buscar soluções inovadoras para os problemas atuais, revela uma falta de visão e capacidade de enfrentar os desafios do presente.

O governo Lula não tem sido amigo do agronegócio, adotando uma postura conflituosa e prejudicando um dos setores mais importantes da economia brasileira. Essa abordagem não apenas afeta as relações entre governo e setor produtivo, mas também pode impactar negativamente a balança comercial e o crescimento econômico.

A elevação da nota econômica do Brasil é um sinal positivo, porém, não deve encobrir os desafios críticos que a gestão do governo Lula enfrenta. A abordagem intervencionista, a política externa questionável, o discurso polarizador e a falta de medidas efetivas para o crescimento econômico são questões que devem ser enfrentadas com seriedade. O atual cenário econômico do Brasil exige medidas drásticas para enfrentar os desafios fiscais que o país enfrenta. Nesse sentido, é imprescindível que o governo Lula priorize a redução dos gastos públicos e adote uma postura de maior austeridade fiscal. Para garantir uma economia estável e sustentável, é necessário evitar o aumento da dívida pública e promover uma gestão responsável dos recursos, direcionando-os para áreas essenciais que possam impulsionar o desenvolvimento socioeconômico do país. A adoção de políticas que visem à eficiência e ao controle de gastos é fundamental para equilibrar as contas públicas e assegurar um futuro mais promissor para todos os brasileiros.

O Brasil necessita, sem dúvida, de uma gestão governamental comprometida com políticas responsáveis, focada em ações concretas e, ao mesmo tempo, que valorize a liberdade em todas as suas dimensões. Deve o governo ter uma busca por melhorias sustentáveis e duradouras para o país, é imprescindível assegurar a liberdade econômica, permitindo que o empreendedorismo floresça e que o setor privado tenha espaço para inovar, investir e gerar empregos. Uma economia livre proporciona o ambiente propício para o surgimento de novos negócios, a concorrência saudável e a criação de riqueza, fatores fundamentais para o crescimento econômico, a redução da desigualdade e por consequência melhora no Rating”.

(*) Fonte de conteúdo: Murillo Torelli, Professor de Contabilidade Financeira e Tributária no Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA) da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM).

Blog do Grana é a página de conteúdo informativo do aplicativo Grana Capital, parceiro da B3 para ajudar os investidores com o Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Facebook
Twitter
LinkedIn
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App