Amazon (AMZO34) frusta investidores com balanço do 3º trimestre e ações afundam em NY

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Amazon (AMZO34) frusta investidores

Amazon (AMZO34) frusta investidores com balanço do terceiro trimestre de 2022 e ações chegam a recuar mais de 10% em Nova York (EUA) em 28 de outubro de 2022. No encerramento por lá, a ação fechou em queda 6,80%.

No Brasil, após forte queda no início do pregão, o BDR AMZO34 virou para o positivo no período da tarde e fechou em alta de 13,52%, a R$ 27,45 por BDR negociado na B3.

As receitas alcançaram US$ 127,1 bilhões no período versus a estimativa de US$ 127,5 bilhões esperada por analistas. O lucro atingiu US$ 0,28 por ação versus o lucro de US$ 0,21 por ação estimado pelo mercado.

AMZO34: Conheça o BDR da Amazon listado na Bolsa
Amazon (AMZO34) frusta investidores com balanço do 3º trimestre de 2022

Análise da Avenue sobre a ação da Amazon (AMZN)

De acordo com a análise de Avenue Intelligence, a gigante do e-commerce declarou que possui uma previsão de resultados menos otimista para os próximos trimestres e isso fez as suas ações caírem 20% no after-market após a divulgação do balanço na noite de 27 de outubro de 2022.

Entre os destaques, a receita da AWS chegou a US$ 20,5 bilhões (+33%), de acordo com um comunicado, enquanto o mercado esperava US$ 21,1 bilhões. A AWS agora contribui com 16% da receita total da companhia. A AWS, lançada em 2006, controlava cerca de 39% do mercado de infraestrutura em nuvem em 2021, abaixo dos 41% em 2020, em um setor que tem visto um crescimento constante à medida que as empresas continuam transferindo sua computação e armazenamento para a nuvem.

Ainda durante o trimestre, a AWS lançou sua segunda região de data center nos Emirados Árabes Unidos e anunciou a disponibilidade de serviços “sem servidor” que ajudam os desenvolvedores a implantar ferramentas de análise de dados com o mínimo de trabalho de gerenciamento de servidor.

Já a plataforma de e-commerce viu as vendas do segmento da América do Norte aumentaram 20% ano a ano, para US$ 78,8 bilhões e no segmento internacional diminuíram 5% ano a ano para US$ 27,7 bilhões, mas aumentaram 12% excluindo as mudanças nas taxas de câmbio.

As orientações futuras preveem um impacto desfavorável de aproximadamente 460 pontos base das taxas de câmbio, sem contar uma redução de aproximadamente US$ 15 bilhões em vendas online devido a desaceleração econômica global.

A Amazon possui um valor de mercado de aproximadamente US$ 1,13 trilhão, P/E (price/earnings) de 99,78 vezes e não paga dividendos. No ano, as ações recuavam 38,28% até a publicação do balanço na noite de 27 de outubro de 2022.

Análise da Levante sobre a ação da Amazon

Na noite de ontem (27), após o fechamento do mercado, a gigante americana atuante nos ramos do varejo e de serviços de cloud divulgou seus números referentes ao terceiro trimestre de 2022. Os resultados vieram consideravelmente abaixo das expectativas, dando continuidade à tendência de frustração das big techs norte-americanas.

A companhia anunciou US$ 127,1 bilhões em vendas líquidas, um crescimento anual de 15%. O valor foi bem próximo ao consenso, que previa US$ 127,5 bilhões. Dentre os segmentos, o destaque positivo foi novamente a Amazon Web Services (AWS), braço da empresa que atua no fornecimento de soluções tecnológicas e armazenamento de dados em nuvem, com um progresso anual de receita de 27%, encerrando o 3T22 em US$ 20,5 bilhões (16% do mix).

Além disso, foi visto um avanço no segmento de varejo North America de 20% entre os períodos, finalizando o trimestre em US$ 78,8 bilhões (62% do mix). Por fim, o segmento de varejo International apresentou uma contração em dólar de 5%, finalizando o período em US$ 27,7 bilhões (22% do mix). Vale ressaltar que retirando-se os impactos cambiais, dado o trimestre de bastante apreciação do dólar frente às principais moedas, haveria uma expansão na receita líquida de 12%.

Com a linha de receita praticamente sobreposta ao consenso, as surpresas negativas foram relacionadas à parte de despesas da companhia. O custo dos produtos vendidos avançou 11,7% na comparação anual, fechando o trimestre em US$ 70,3 bilhões. O custo logístico da operação avançou 11,3% no mesmo período, finalizando em US$ 20,6 bilhões.

As despesas com tecnologia e conteúdo deram um salto considerável de 35,5%, fechando o trimestre em US$ 19,5 bilhões, já as despesas com vendas e marketing cresceram 37,5% no ano, fechando o período em US$ 11,0 bilhões.

Por fim, as despesas gerais e administrativas avançaram 42,2%, finalizando o trimestre em US$ 3,1 bilhões. Com isso, os custos e despesas da companhia fecharam o trimestre em US$ 124,6 bilhões, um avanço anual de 17,6% que resultou num lucro operacional de US$ 2,5 bilhões, uma queda de 48% no ano. Dessa forma, a margem operacional do trimestre fechou em 2,0%, uma queda de 2,4 p.p. contra 3º trimestre de 2021.

Novamente, a decomposição do lucro operacional mostra a força da AWS dentro do resultado da Amazon. Com um lucro operacional de US$ 5,4 bilhões, o braço de cloud mais que compensou os prejuízos operacionais de US$ 0,4 bilhão e US$ 2,5 bilhões dos segmentos North America e International, respectivamente.

Por fim, o lucro líquido consolidado da companhia finalizou o trimestre em US$ 2,9 bilhões, uma queda anual de 9,0%. Vale ressaltar que o resultado foi impactado positivamente pelo resultado operacional de US$ 0,4 bilhão, contra um prejuízo operacional de US$ 0,5 bilhão, atribuído à marca de automóveis elétricos Rivian Automotive, cuja Amazon detém participação.

O mercado avaliou de forma bastante negativa o resultado da Amazon. Com um lucro operacional de US$ 2,5 bilhões e líquido de US$ 2,9 bilhões, os resultados ficaram 19,9% e 24,1% abaixo do consenso.

A empresa continua mostrando dificuldade em voltar a tornar a sua operação de varejo rentável, ao mesmo tempo que expande massivamente suas despesas com produção de conteúdo e absorção de prejuízos no seu segmento de stream, Amazon Prime.

Como luz no fim do túnel, vemos o bom desempenho do segmento da AWS que continua surfando bons momentos de crescimento do setor, mas também deve sofrer com o aumento concorrencial dos players incipientes, além do Google Cloud e da Microsoft Azure.

Por fim, a companhia forneceu um guidance de lucro operacional e vendas líquidas para o 4º trimestre de 2022 de zero a US$4,0 bilhões e US$140 a US$ 148 bilhões, sendo este último abaixo das expectativas do consenso.

Dessa forma, o resultado e projeções frustrantes da Amazon foram responsáveis por uma queda de aproximadamente 12% no valor de mercado da companhia na manhã de 28 de outubro de 2022.

(*) Fontes de conteúdo e relatórios consultados: Avenue Intelligence e Levante Ideias de Investimento.

O Blog do Grana é a página de conteúdo informativo do aplicativo Grana Capital, parceiro da B3 para ajudar os investidores com o Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App