Temor de recessão nos EUA derruba preço do petróleo e ações de petrolíferas

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Temor de recessão nos EUA

O temor de uma recessão nos EUA diante dos reflexos do ciclo de aumento dos juros pelo Federal Reserve (FED – o BC dos EUA) derruba o preço do petróleo no exterior e de ações de petrolíferas estrangeiras e locais.

Por volta das 16 horas, o preço do petróleo do tipo Brent (do Mar do Norte) recuava 5% e o do petróleo do tipo WTI (do Texas) descia 6,5%.

PetroRio (PRIO3) e 3R Petroleum (RRRP3)

Com isso, no Brasil, além da pressão do governo sobre a Petrobras com a ameaça de taxação maior da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), as ações das petrolíferas privadas locais também desabavam na Bolsa brasileira: PetroRio -9,04%, 3R Petroleum -9,11% e PetroRecôncavo -4,10%.

Federal Reserve (FED – o BC dos EUA) aumentou os juros em 0,75 ponto porcentual em 15 de junho.

Proposta de taxação da CSLL da Petrobras

A proposta de “taxação” da CSLL da Petrobras para “bancar” o Bolsa Caminhoneiro feita hoje pelo Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, leva as ações PETR3 e PETR4 para as maiores quedas do Ibovespa em 17/06/2022.

Por volta das 15h10, PETR3 tombava 10,20% e PETR4 desabava 9,80% diante da ameaça do governo.

A CSLL é a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido e a alíquota pode ser aumentada a qualquer tempo pelo governo com um aviso de 90 dias de antecedência.

Outros países (como EUA e Reino Unido) estão estudando ou adotando medidas semelhantes para coibir o lucro das petrolíferas e conceder subsídios para segmentos dependentes dos combustíveis.

Uma proposta de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre os diretores e conselheiros da Petrobras também foi veiculada na imprensa como forma de pressionar a empresa sobre sua política de preços.

Petrobras (PETR3/PETR4) reajusta preço

Mais cedo, a Petrobras (PETR3/PETR4) reajustou o preço do diesel e da gasolina nas refinarias.

Em comunicado divulgado na manhã de 17 de junho de 2022, a Petrobras anunciou que após 99 dias, o preço médio de venda de gasolina da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 3,86 para R$ 4,06 por litro a partir de amanhã, 18 de junho de 2022. O último ajuste ocorreu em 11 de março de 2022.

Segundo a estatal, considerando a mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro para a composição da gasolina comercializada nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 2,81, em média, para R$ 2,96 a cada litro vendido na bomba. Uma variação de R$ 0,15 por litro.

Para o diesel, após 39 dias, a partir de 18 de junho, o preço médio de venda da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 4,91 para R$ 5,61 por litro. O último ajuste ocorreu em 10 de maio de 2022.

De acordo com a companhia, considerando a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel para a composição do diesel comercializado nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 4,42 por litro, em média, para R$ 5,05 a cada litro vendido na bomba. Uma variação de R$ 0,63 por litro.

Petrobras reajusta preço do diesel e da gasolina nas refinarias a partir de 18 de junho de 2022.

(*) Fontes de conteúdo e relatórios consultados: CVM, B3 e Petrobras.

Edição: Ernani Fagundes, jornalista responsável pelo conteúdo do Blog do Grana.

Conteúdo nas redes sociais: Letícia Alonso (vídeo), Vitória Mendonça e Gabriela Orsi.

O Blog do Grana é a página de conteúdo informativo do aplicativo Grana Capital, parceiro da B3 para ajudar os investidores com o Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

E-mail: ernani.fagundes@grana.capital (mande sua opinião sobre o Blog do Grana e sugestões para melhorar sua experiência no site de notícias de mercado e de investimentos).

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App