Quais os riscos na oferta da Eletrobras (ELET3)

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Riscos na oferta da Eletrobras (ELET3)

Há riscos na oferta da Eletrobras (ELET3). O período de reservas para oferta de ações da Eletrobras vai até quarta-feira, 08 de junho de 2022 e, segundo informações obtidas no mercado, muitos investidores estão aderindo à oferta, principalmente com recursos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

Os argumentos a favor da participação são válidos, face que os recursos do FGTS apresentam rentabilidade média de cerca de 3% ao ano, abaixo da remuneração da poupança e da inflação.

Mas há alguns riscos que o investidor pessoa física do varejo desconhecem. Aqui no Blog do Grana, você terá informações sobre os principais riscos da oferta da Eletrobras.

Confira na sequência do texto:

Usina de Itaipu ficou de fora da futura Eletrobras.

Eletrobras não terá controlador definido

Mesmo privada, a futura Eletrobras não terá um controlador definido. Os grandes investidores só poderão comprar no máximo 10% da nova companhia.

Usinas de Itaipu e da Eletronuclear ficam de fora dos ativos

A nova Eletrobras será um grande empresa de energia na geração e na distribuição, mas não terá entre seus ativos a Usina de Itaipu, no Paraná, e nem as usinas nucleares de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro.

A privatização deixou de fora esses ativos considerados estratégicos para o País e que seguem acordos com outros países.

“Pela lei sancionada, uma nova estatal (ENBPar) foi criada para administrar a Eletronuclear (detentora das usinas de Angra) e a Itaipu Binacional, que serão segregadas da privatização, pois assim previam a legislação e os acordos para esses tipos de ativos específicos”, conforme observou relatório da Suno Research.

Pelos 50% de Itaipu Binacional (os outros 50% pertencem à Administración Nacional de Electricidad, do Paraguai), a empresa receberá um pagamento de R$ 1,2 bilhão, em parcelas mensais, ao longo de 20 anos.

Em relação à Eletronuclear, após uma reorganização societária, a companhia deterá 68% dos papéis, mas apenas 36% do seu capital votante.

De uma forma geral, essa reestruturação societária (sem Itaipu e Eletronuclear) diminuirá em 17,8% (8.990 MW) a capacidade de geração instalada da Eletrobras – que é de 50.491,2 MW.

Interferência do governo deverá continuar

Mesmo com a oferta pública de ações reduzindo a participação do governo no capital da Eletrobras para cerca de 40%, o governo ainda terá uma fatia relevante no negócio com poder de decisão sobre a companhia.

Interferência via Aneel vai continuar

Independente da privatização, a Agência Nacional de Energia Elétrica, Aneel, vai continuar regulando os preços das taxas e das tarifas do setor de energia elétrica.

Segundo relatório da Levante Research, o setor elétrico não é como o setor de telecomunicações, em que as empresas privadas definem os preços de mercado.

Corte de custos e despesas ocorrerá em 1 a 2 anos

O projeto aprovado pelo Congresso amarrou uma série de gastos que atrasará o corte de custos e despesas para um período entre 1 e 2 anos após a privatização.

Pequena redução dos custos financeiros das dívidas

Com os juros em patamares elevados no atual momento, espera-se apenas uma pequena redução dos custos financeiros da Eletrobras com suas dívidas.

“A redução dos custos financeiros vai depender do grau de alavancagem (endividamento) e pode levar mais de dois anos”, observou a Levante Research.

Ações já subiram desde o anúncio de privatização

As ações da Eletrobras (ELET3) já subiram desde que o anúncio da privatização foi feito há mais de dois anos. Ou seja, esse bom desempenho pode não se repetir a curto prazo.

Nos cálculos da casa de análise, a Eletrobras está mais cara que Ibovespa, Petrobras e Vale. As ações já subiram de R$ 28,41 no início do processo de privatização (23/02/2021) até a faixa de R$ 43 atual.

Em 2022, a ação da Eletrobras já subiu 31,7%, patamar superior aos desempenhos de Petrobras (+5,4%), Vale (+13,1%), Cemig (+8,1%), Copel (+14%) e Engie (+11,1%).

Patamar de dividendos é menor que Petrobras, Vale e Ibovespa

Ainda nos cálculos da Levante, o atual patamar de dividendos da Eletrobras é menor (1,8%) que os patamares observados em Ibovespa (5,8%), Vale (17%) e Petrobras (38,4%).

ROE de Eletrobras é menor que o de Ibovespa, Vale e Petrobras

O retorno sobre o patrimônio líquido de Eletrobras (8,6%) também é menor que o observado em Ibovespa (17,6%), Petrobras (34,6%) e Vale (63,8%).

Patamar de dividendos da Eletrobras fica abaixo de Cemig, Copel e Engie

Na comparação setorial, o patamar de dividendos (1,8%) da Eletrobras fica abaixo dos registrados por Cemig (9%), Copel (16%) e Engie (5,9%).

ROE de Eletrobras é menor que o visto em Cemig, Copel e Engie

Da mesma forma, na comparação setor, o retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) de Eletrobras (8,6%) também é o menor que o observado em Cemig (23,2%), Copel (21,5%) e Engie (20,1%).

Fontes de conteúdo e relatórios consultados: Suno Research e Levante Research.

Edição: Ernani Fagundes, jornalista responsável pelo conteúdo do Blog do Grana.

E-mail: ernani.fagundes@grana.capital (mande sua opinião sobre o Blog do Grana e sugestões para melhorar sua experiência no site de notícias de mercado e de investimentos).

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App