EcoRodovias (ECOR3) terá 12 pedágios na rodovia Rio-Valadares

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

EcoRodovias (ECOR3) terá 12 pedágios

EcoRodovias (ECOR3) terá 12 praças de pedágios da rodovia Rio-Valadares após vencer o leilão de concessão da estrada que liga o Rio de Janeiro (RJ) até a cidade de Governador Valadares (MG) formada por trechos da BR 116, BR 465 e BR 493.

Os preços das tarifas básicas de pedágio previstos para as 12 praças de pedágio que funcionarão no trecho, variam – no período inicial da concessão – de R$ 8,10, na praça de Orizânia (MG), a R$ 17,48, na praça Itaboraí (RJ).

De acordo com informações da Agência Brasil, a EcoRodovias (ECOR3) foi a única empresa a apresentar propostas, a companhia ofereceu desconto de 3,11%, sendo o máximo previsto no edital de 17,5%. Não houve oferta de valor de outorga, conforme permitia o edital.

O contrato de concessão será de 30 anos e o sistema rodoviário abrangerá uma extensão total de 726,9 quilômetros (km).

De acordo com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), trata-se da única rota, a partir da cidade do Rio de Janeiro, disponível para o contorno da Baía de Guanabara, permitindo o acesso à região dos Lagos, ao norte do estado, e às regiões Norte e Nordeste do país.

Os investimentos que a empresa vencedora deverá realizar, ao longo dos 30 anos de concessão, somam R$ 11,3 bilhões. As despesas operacionais (custos operacionais, despesas obrigatórias e o conjunto de seguros e garantias) são estimadas em R$ 9,8 bilhões.

Segundo a ANTT, as principais melhorias que deverão ser implementadas são 303,2 km de obras de duplicação, 255,2 km de faixas adicionais, 85,5 km de vias marginais, 75 passarelas, 57 passagens de fauna, 462 pontos de ônibus, 1,6 mil km de ciclovias.

O Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) contará com 29 ambulâncias, 7 guinchos pesados, 12 guinchos leves, 5 caminhões-pipa, e 5 caminhões de resgate de animais.

Rodovia Rio-Valadares. Foto: Confederação Nacional dos Transportes (CNT)/Agência Brasil.

Declarações de executivos no leilão da ANTT na B3

 “O brasileiro quer serviços de qualidade e não há outro caminho que não seja por meio da parceria com o setor privado, pela eficiência e pela disposição de fazer esse investimento. Vamos começar mais um ciclo exitoso e bem-sucedido e continuar promovendo mudanças para o Rio de Janeiro, para Minas Gerais e para todo o Brasil”, disse o ministro da Infraestrutura, Marcelo Sampaio.

“Leilão bem-sucedido é rodovia operando com qualidade e segurança aos usuários. Contem com a parceria da ANTT durante esses 30 anos de contrato, não só para garantir o cumprimento das obrigações contratuais, mas também para cooperar no encontro de soluções”, disse o diretor-geral da ANTT, Rafael Vitale.

 “A B3, enquanto infraestrutura de mercado e, mais especificamente, na qualidade de assessora técnica da ANTT, tem o orgulho de poder contribuir para projetos como esse que são de grande importância para a retomada do desenvolvimento socioeconômico do Brasil. É uma honra estar presente na agenda de infraestrutura do país por meio de uma atuação técnica e pautada na transparência e na imparcialidade”, comentou Rogério Santana, diretor de Relacionamento com Clientes da B3.

Representantes da EcoRodovias no leilão da ANTT na Bolsa. Foto: B3/Cauê Diniz.

Análise da Levante sobre EcoRodovias (ECOR3)

Segundo o edital, estão previstos R$ 11,3 bilhões em investimentos ao longo dos 30 anos de concessão, incluindo mais de 303 quilômetros de duplicação, faixas adicionais, pontos de ônibus e ciclovias.

A vitória da Ecorodovias é positiva, de modo que esperamos um impacto positivo no preço de suas ações (ECOR3) a curto prazo.

Em nossa visão, ajudou o fato de a companhia ser a única licitante para o projeto, de forma que conseguiu realizar uma proposta com um retorno atrativo, mesmo com o deságio oferecido.

Adicionalmente, vemos o movimento como parte do avanço da estratégia da empresa, que visa focar em projetos “brownfield”, que gerem retornos desde o início da concessão, não prejudicando a sua alavancagem (capacidade de endividamento).

Ademais, a localização geográfica do ativo é interessante, com esse apresentando sinergias com o restante de seu portfólio.

Como ponto de atenção, ressaltamos as pressões inflacionárias na atual conjuntura, o que pode inflar o capex (investimento) necessário para a realização do projeto.

Fontes de conteúdo e relatórios consultados: B3, Agência Brasil e Levante Research.

Edição: Ernani Fagundes, jornalista responsável pelo conteúdo do Blog do Grana.

E-mail: ernani.fagundes@grana.capital (mande sua opinião sobre o Blog do Grana e sugestões para melhorar sua experiência no site de notícias de mercado e de investimentos).

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App