LSPA11: Conheça o fundo imobiliário Leste Riva que investe em empreendimentos residenciais

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

LSPA11 é o código do fundo de investimento imobiliário (FII) Leste Riva Equity Preferencial I listado na Bolsa (B3) em 13 de maio de 2022.

Aqui no Blog do Grana, você terá informações sobre os riscos dessa nova aplicação financeira.

O que é o LSPA11

O LSPA11 é um fundo de investimento imobiliário (FII) lançado pela gestora Leste Financial Services Gestão de Recursos com administração pelo Banco Genial (antigo Banco Plural).

Segundo informações da B3, o FII LESTE PA ou FII Leste Riva Equity Preferencial I é destinado a investidores em geral. Mas, até que o fundo tenha uma oferta pública, nos termos da Instrução CVM nº 400 ou até que o fundo apresente um Prospecto nos termos da Instrução CVM nº 476, somente poderão adquirir cotas no mercado os investidores profissionais, conforme definido no artigo 9º da instrução da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nº 539 de 2013 – a CVM é a autarquia do governo que fiscaliza o mercado.

A B3 disponibilizou 404.500 cotas para negociação na Bolsa a um preço inicial de R$ 100,00 por cota. Ao todo, as cotas do fundo totalizavam um valor de R$ 40,45 milhões no lançamento do produto.

Onde o LSPA11 aplica os recursos dos cotistas

De acordo com o documento do fundo no Banco Genial, o Leste Riva Equity vai aplicar majoritariamente os recursos em ativos imobiliários de empreendimentos residenciais a serem construídos em regime de incorporação pela Sociedade de Propósito Específico (SPE) Napoli Empreendimentos Imobiliários

. Em outras palavras, os recursos dos cotistas serão utilizados para a construção de imóveis residenciais.

A incorporadora Napoli é uma sociedade empresária de responsabilidade limitada (LTDA) com sede na cidade de Belo Horizonte (MG) na Rua dos Otoni, nº 177, Bairro Santa Efigênia, CEP 30150-270, inscrita no CNPJ/ME sob o nº 21.596.349/0001-08.

Além disso, o fundo pode investir uma pequena parte dos recursos em ativos de liquidez para atender suas necessidades de liquidez (caixa):

  • títulos públicos do Tesouro;
  • operações compromissadas lastreadas em títulos públicos;
  • derivativos, exclusivamente para fins de proteção patrimonial, cuja exposição seja sempre, no máximo, o valor do patrimônio líquido do fundo;
  • cotas de fundos de investimento referenciados à taxa do certificado de depósito interbancário (CDI) ou renda fixa com liquidez diária;
  • Letras hipotecárias (LH);
  • Letras de crédito imobiliário (LCI);
  • Letras imobiliárias garantidas (LGI);

Qual o objetivo do fundo imobiliário LSPA11

O objetivo do fundo é obter rendimentos, ganhos de capital e a valorização das cotas por meio da aquisição de ativos imobiliários e rendimentos decorrentes do desenvolvimento dos empreendimentos imobiliários residenciais.

Quais são os riscos do LSPA11

De acordo com o documento do fundo na B3, tendo em vista a natureza dos investimentos a serem realizados pelo fundo, os cotistas do LSPA11 devem estar cientes dos riscos aos quais estão sujeitos o fundo e os seus investimentos e aplicações.

Segundo o documento, não há quaisquer garantias de que o capital efetivamente utilizado será remunerado conforme a expectativa dos cotistas.

Como o fundo imobiliário LSPA11 possui ativos imobiliários da Napoli Empreendimentos Imobiliários, seu principal risco está relacionado à concentração neste único investimento.

Mas existem outros riscos comuns da natureza dos fundos imobiliários:

  • risco de obras nos imóveis em construção;
  • riscos judiciais;
  • riscos de liquidez;
  • riscos de mercado;
  • riscos tributários (ex.: de mudança nas alíquotas de impostos ou da cobrança de IR sobre dividendos);
  • riscos macroeconômicos (ex.: risco do aumento de juros afetar o crédito para a construção do empreendimento ou afetar a venda das novas unidades que serão construídas);
  • risco do bom desempenho do fundo imobiliário não se repetir no futuro;
  • outros riscos (ex.: risco de uma bolha imobiliária);

Para mais detalhes sobre riscos comuns de fundos imobiliários, acesse o link abaixo:

Quais são os riscos de fundos imobiliários?

Imposto de Renda em fundos imobiliários

Ao vender um fundo imobiliário, você precisa calcular um Imposto de Renda de 20% sobre o lucro, se houver, e pagar até o último dia útil do mês seguinte.

O IR é calculado sobre a diferença entre o preço médio de compra e o de venda das cotas. Vale lembrar que, diferente do investimento em ações, os fundos imobiliários não possuem a isenção para venda das cotas até R$ 20 mil por mês.

Outro aspecto importante sobre os fundos imobiliários e que vale destacar é que os proventos (dividendos) são isentos do Imposto de Renda – os proventos são os valores que o investidor de FIIs recebe mensalmente na sua conta corrente.

Exigência da Declaração de Investimentos no Imposto de Renda

Existe um ditado popular que diz: “só existem duas certezas na vida, a da morte e a dos impostos”. No caso brasileiro, devemos acrescentar que todo investimento precisa ser informado na Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda da Pessoa Física (DIRPF).

Portanto, se você é investidor pessoa física, lembre-se que além do pagamento do Imposto de Renda sobre Ganhos de Capital, o investimento em fundos imobiliários deve ser declarado à Receita Federal.

Fontes de conteúdo e relatórios consultados: B3, CVM e Banco Genial.

Edição: Ernani Fagundes, jornalista responsável pelo conteúdo do Blog do Grana.

E-mail: ernani.fagundes@grana.capital (mande sua opinião sobre o Blog do Grana e sugestões para melhorar sua experiência no site de notícias de mercado e de investimentos).

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App