HUCG11: Conheça o fundo imobiliário que investe no Hospital Unimed Campina Grande

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

HUCG11 é código do fundo de investimento imobiliário que investe no Hospital Unimed Campina Grande.

Aqui no Blog do Grana, você terá informações sobre essa nova aplicação financeira listada na Bolsa brasileira (B3) em 10 de maio de 2022.

Confira na sequência do texto:

Foto: Unimed Campina Grande/PB.

O que é o fundo HUCG11

O HUCG11 é um fundo de investimento imobiliário (FII) UNIMED C que investe em ativos imobiliários do Hospital Unimed Campina Grande, no Estado da Paraíba.

Segundo o comunicado da B3, o FII Unimed C é destinado para investidores em geral.

Na listagem inicial em 10 de maio de 2022, foram disponibilizadas para negociação 1.122.000 cotas ao preço de R$ 102,67 por cota, referente a primeira e a segunda emissão de cotas do fundo.

Portanto, as cotas colocadas para negociação possuíam um valor inicial de mercado de R$ 115,195 milhões.

Qual o objetivo do fundo HUCG11

Segundo o regulamento arquivado na B3, o Fundo tem por objeto proporcionar aos titulares de suas cotas a valorização e a rentabilidade por meio do investimento em imóvel localizado no município de Campina Grande, no Estado da Paraíba.

O “Imóvel Alvo” foi adquirido pelo fundo para desenvolvimento do projeto e da construção de um empreendimento imobiliário com destinação hospitalar (“empreendimento”), e para exploração comercial do “imóvel alvo” mediante locação à UNIMED CAMPINA GRANDE COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO.

A Unimed Campina Grande é uma sociedade cooperativa em responsabilidade limitada (LTDA) com sede à Rua Clayton Ismael, 40, Lauritzen, cidade de Campina Grande/PB, CEP 58401-393, sociedade inscrita no CNPJ/ME sob o nº 08.707.473/0001-35.

O contrato de locação é na modalidade “built to suit”, nos termos do artigo 54-A da Lei 8.245, de 18 de outubro de 1991 (“Lei 8.245/91”) e do “Instrumento Particular de Contrato de Locação de Imóvel não Residencial sob a modalidade Built to Suit e Outras Avenças” celebrado entre o fundo e o locatário, a Unimed Campina Grande.

Em outras palavras, o cotista do fundo HUCG11 torna-se o sócio e proprietário do “imóvel alvo”, o empreendimento Hospital Unimed Campina Grande, e recebe o aluguel desse imóvel na proporção de suas cotas.

O inquilino do imóvel é a sociedade médica da Unimed Campina Grande que utiliza as instalações do Hospital.

Quais são os riscos do fundo HUCG11

Como o fundo imobiliário HUCG11 possui ativos imobiliários do Hospital Unimed Campina Grande, seu principal risco está relacionado a concentração neste único investimento.

Mas existem outros riscos comuns da natureza dos fundos imobiliários:

  • risco de obras nos imóveis do Hospital já prontos (construídos), em reforma ou em construção.
  • riscos judiciais.
  • riscos de inadimplência.
  • riscos de liquidez.
  • riscos de mercado.
  • riscos tributários (ex. de mudança nas alíquotas de impostos ou da cobrança de IR sobre dividendos).
  • riscos macroeconômicos (ex. risco do aumento de juros afetar o crédito para o Hospital).
  • risco do bom desempenho do fundo imobiliário não se repetir no futuro.
  • outros riscos (ex. risco de uma bolha imobiliária).

De acordo com o próprio documento do FII Unimed C, os investimentos do fundo estão, por sua natureza, sujeitos a flutuações típicas do mercado imobiliário e do mercado em geral, risco de crédito, risco sistêmico, condições adversas de liquidez e negociação atípica nos mercados de atuação e não há garantia de completa eliminação da possibilidade de perdas para o fundo e para o cotista.

As aplicações realizadas no fundo não contam com garantia do administrador (Coinvalores), da gestora (InvestCoop Asset Management), ou de qualquer mecanismo de seguro ou do Fundo Garantidor de Créditos, o FGC.

Para mais detalhes sobre riscos comuns de fundos imobiliários, acesse o link abaixo:

Quais são os riscos de fundos imobiliários?

Imposto de Renda em fundos imobiliários

Ao vender um fundo imobiliário, você precisa calcular um Imposto de Renda de 20% sobre o lucro, se houver, e pagar até o último dia útil do mês seguinte.

O IR é calculado sobre a diferença entre o preço médio de compra e o de venda das cotas.

Vale lembrar que, diferentemente do investimento em ações, os fundos imobiliários não possuem a isenção para venda das cotas até R$ 20 mil por mês.

Outro aspecto importante sobre os fundos imobiliários e que vale destacar é que os proventos (dividendos) são isentos do Imposto de Renda.

Os proventos são os valores que o investidor de FIIs recebe mensalmente na sua conta corrente.

Exigência da Declaração de Investimentos no Imposto de Renda

Existe um ditado popular que diz: “Só existem duas certezas na vida, a da morte e a dos impostos”.

No caso brasileiro devemos acrescentar que todo investimento precisa ser informado na Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda da Pessoa Física (DIRPF).

Portanto, se você é investidor pessoa física, lembre-se que além do pagamento do Imposto de Renda sobre Ganhos de Capital, o investimento em fundos imobiliários deve ser declarado à Receita Federal.

Fonte de conteúdo: B3 e documento do fundo Hospital Unimed Campina Grande.

Edição: Ernani Fagundes, jornalista responsável pelo conteúdo do Blog do Grana.

E-mail: ernani.fagundes@grana.capital (mande sua opinião sobre o Blog do Grana e sugestões para melhorar sua experiência no site de notícias de mercado e de investimentos).

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App