NFTS11: Conheça o fundo que investe em criptomoedas de plataformas do Metaverso

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

NFTS11 é código do fundo negociado em Bolsa (ETF ou Exchange Traded Fund) da gestora Investo que aplica os recursos em criptomoedas do setor de mídia e entretenimento localizadas nas principais plataformas do Metaverso, onde as NFTs (Non-Fungible Tokens) são criadas e negociadas.

Aqui no Blog do Grana, você terá informações sobre essa novidade listada na Bolsa (B3) em 4 de abril de 2022.

Antes da listagem na Bolsa, houve um período de reservas das cotas iniciais na gestora Investo entre 17 de março e 29 de março de 2022.

As principais corretoras que atuaram na oferta inicial foram: BTG Pactual e Nu Invest, como coordenadores líder, e Modalmais e Vitreo, como corretoras participantes.

Confira na sequência do texto:

Foto: Divulgação B3

O que é o ETF cripto NFTS11

O NFTS11 é um ETF (Exchange Traded Fund ou fundo negociado em Bolsa) composto por criptomoedas que compõem o índice de mercado de criptomoedas do Metaverso, o MVIS CryptoCompare Media & Entertainment Leaders, administrado pela MV Index Solutions (MVIS).

Onde o ETF NFTS11 aplica os recursos dos cotistas

Entre as principais criptomoedas listadas no índice estão a Decentraland, The Sandbox, Axie Infinity Shards, Gala, Basic Attention Token, Chiliz e Enjin Coin.

Sendo os tokens referenciais: Mana, Sand, ASX, Gala, BAT, CHZ e ENJ.

“Vivemos em uma geração em que os mundos virtuais estão gerando uma riqueza para os usuários que passam cada vez mais tempo interagindo em plataformas digitais, e o brasileiro também merece participar dessa riqueza que é criada. É justamente isso que o NFTS11 possibilita – facilitar o investimento em ativos dos mundos virtuais, aproximando os investidores de um mundo com alto potencial”, afirma Cauê Mançanares, CEO da Investo.

Quais as vantagens do ETF NFTS11

Segundo informações da gestora Investo, o investimento em ETFs pode ser uma alternativa interessante para a diversificação da carteira, pois permite se expor a diferentes ativos de criptomoedas por meio de uma única cota.

Além disso, também costumam ter um custo mínimo relativamente baixo, facilitando o acesso dos investidores.

Quando se trata do NFTS11, merece destaque:

  • Diversificação da carteira: possibilidade de se expor ao mercado de criptomoedas ligadas às NFTs.
  • Exposição a um segmento em crescimento exponencial: o mercado de Gamecoins cresceu de forma acelerada em 2021, e representa um dos segmentos de criptomoedas com maior potencial para valorizações.
  • Liquidez e negociação em Bolsa: os ETFs são negociados na bolsa de valores, possuindo liquidez de bolsa (D+2) e a solidez do ambiente de negociação da B3.

Qual a taxa de administração do ETF NFTS11

O NFTS11 terá taxa de administração de 0,75% ao ano.

Qual o valor da cota inicial do ETF NFTS11

O valor inicial do NFTS11 foi estabelecido em R$ 100 por cota.

Comentários sobre a listagem do ETF NFTS11 na B3

“A B3 trabalha para desenvolver produtos diferenciados, que acompanhem a sofisticação do investidor e as tendências do mercado. Parcerias como esta possibilitam a diversificação e o acesso a setores inovadores, atendendo às novas demandas de um público cada vez mais atento à tecnologia” comentou Luís Kondic, diretor executivo de Produtos e Dados da B3.

 “Vivemos em uma geração em que os mundos virtuais estão gerando uma riqueza para os usuários que passam cada vez mais tempo interagindo em plataformas digitais, e o brasileiro também merece participar dessa riqueza que é criada.” pontuou Cauê Mançanares, CEO da Investo.

Quais são os principais riscos do ETF NFTS11

A exemplo dos demais ETFs de criptos já lançados no Brasil e em outros mercados internacionais, o principal risco do NFTS11 é a volatilidade, o sobe e desce constante das cotas.

No caso específico do NFTS11 há o risco do bom desempenho do mercado de “gamecoins” visto em 2021 não se repetir no futuro.

Como esse tipo de ETF aloca em criptomoedas globais há o risco cambial, ou seja, da valorização ou desvalorização da moeda local (o Real) em relação ao valor das criptomoedas ou criptoativos que também são representados pelo seu valor em outras moedas no exterior (ex. dólar, euro, etc.).

Como todo produto novo na praça, o ETF também terá riscos de liquidez (capacidade de venda rápida das cotas no preço desejado) e de insegurança jurídica e regulatória, pois governos ou bancos centrais pelo mundo (inclusive no Brasil) estão buscando regular o mercado de novas tecnologias e de criptoativos.

Além disso, como todo produto listado em Bolsa, o ETF terá riscos de mercado e macroeconômicos (ex. aumento de juros nos EUA, na Europa, na China), e até riscos geopolíticos e de boicotes econômicos internacionais, a depender do cenário de guerra no exterior.

De acordo com a Investo, o cotista deve conhecer os riscos envolvidos.

“Por isso, é fundamental considerar que os ETFs são uma alternativa de investimento em criptomoedas, não sendo possível garantir retornos – inclusive, podendo acontecer perdas, e deve-se considerar a volatilidade das criptomoedas que compõem o ETF. Recomenda-se ler os fatores de risco no site do ETF antes de investir”, orienta a gestora.

Qual a alíquota do Imposto de Renda em ETFs de criptos

A tributação dos ETFs de criptos é igual a dos outros ETFs de renda variável.

Se você teve lucro com ETFs de criptos, saiba que as cotas desses ETFs negociados na B3 são tributadas em 15% sobre o ganho de capital em operações normais.

Por exemplo, em daytrade, a alíquota é de 20%, apurado pela diferença positiva entre os valores de venda e de aquisição da cota.

Ou seja, se o investidor compra num preço menor e vende depois num preço maior, registra lucro pelo ganho de capital.

Se o aplicador vende o ETF de criptos e registra o lucro, o recolhimento do IR deve ser feito pelo próprio investidor via DARF até o último dia útil do mês seguinte.

Para saber mais informações sobre como declarar ou pagar o Imposto de Renda em ETFs de criptos de forma automática, acesse o link abaixo:

Fontes consultadas: B3 e Investo

Edição: Ernani Fagundes, jornalista responsável pelo conteúdo do Blog do Grana.

E-mail: ernani.fagundes@grana.capital (mande sua opinião sobre o Blog do Grana e sugestões para melhorar sua experiência no site de notícias de mercado e de investimentos).

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App