Malha fina do Imposto de Renda: Conheça as 5 dúvidas mais comuns sobre o assunto

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Malha Fina do Imposto de Renda

A Declaração do IR 2022 referente ao ano calendário de 2021 está a todo vapor.

O Blog do Grana consultou a contadora e professora da Estácio, Lizandra Menezes, e o contador Claudionei Santa Lúcia, parceiro da GetNinjas, sobre quais as dúvidas mais comuns dos contribuintes sobre a Malha Fina da Receita Federal.

Confira na sequência do texto:

Claudionei Santa Lúcia, contador. Foto: Divulgação/Getninjas/@BBDigitals

Dúvidas mais comuns sobre a Malha Fina do Imposto de Renda

Com o início do prazo para a entrega da declaração de Imposto de Renda à Receita Federal, os contribuintes devem acertar as contas até o dia 29 de abril.

Neste ano, a Receita optou por liberar o programa de preenchimento e envio da declaração no mesmo dia do início do prazo para a entrega da documentação.

Para evitar cair na malha fina da Receita Federal, a contadora e professora da Estácio, Lizandra Menezes, dá algumas dicas:

A primeira dica é se atentar na hora de preencher a declaração. “Um dos principais erros que ocorrem é o de digitação, por algum descuido ou mesmo engano. Se precisar de alguma informação que não tem em mãos, é melhor parar o preenchimento, buscar o dado e, depois, terminar de preencher”, orienta a professora.  

Segundo Lizandra, o principal ponto de atenção é em relação ao rendimento anual. O contribuinte vai saber o montante por meio da declaração de Informe Anual de Rendimentos entregue pela empresa.  

Se o rendimento for inferior a R$ 28.559,70, o contribuinte está desobrigado a declarar.

Porém, se no item 5 (dos rendimentos tributáveis) estiver imposto de renda retido, a orientação é que o contribuinte faça a declaração para que receba a restituição.

Quem tem dependentes também precisa redobrar a atenção na hora do preenchimento da declaração. “Se o dependente possui alguma renda – estágio ou pensão, por exemplo -, o valor também deve fazer parte da declaração, nos rendimentos tributáveis.

É muito comum os contribuintes errarem neste item e, depois, caírem na malha fina. Além disso, vale lembrar que o mesmo dependente não pode aparecer em mais de uma declaração”, alerta Lizandra Menezes.

São obrigados a declarar Imposto de Renda os contribuintes que receberam rendimentos superiores a R$ 28.559,70 no ano de 2021.

Além disso, deve acertar as contas com a Receita Federal o contribuinte que recebeu rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil.

Vale lembrar também que, caso tenha tido redução ou suspensão de contrato de trabalho em 2021, o valor recebido pelo governo deve ser declarado.

Os valores recebidos a título de Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEM) são considerados rendimentos tributáveis e devem ser declarados como tal na ficha Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Jurídica.

Para saber quais valores foram pagos como benefício emergencial ou ajuda compensatória, o contribuinte deve acessar o aplicativo Carteira de Trabalho Digital.

Aqueles que no dia 31 de dezembro de 2021 tinham a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil também devem fazer a declaração.

O que é a malha fina

Para analisar a Declaração do Imposto de Renda, a Receita Federal cruza informações prestadas por outras entidades com os dados fornecidos pelo contribuinte.

Se é detectada alguma inconsistência que motive uma verificação mais apurada, o Governo pode chamá-lo a prestar esclarecimentos.

Essa análise mais apurada é a famosa malha fina. Nestes casos, o contribuinte fica impossibilitado de receber a restituição do imposto até a resolução da pendência.

Muitas vezes, a malha fina pode ocorrer por omissão ou erro, seja pelo declarante, seja pela pessoa jurídica ou física que fez o pagamento, ou informou rendimentos.

É Importante destacar que a malha fina, não tem o único propósito de “pegar” omissões ou erros, também tem o foco de pegar fraudes, o que diverge de omissões e erros, pois tratam-se de lançamentos propositais com o objetivo de lesar o fisco”.

Quando uma pessoa cai na malha fina

Qualquer informação incorreta ou omitida na Declaração pode se tornar alvo da malha fina.

Exemplos: omissão na renda de dependentes, ou da própria renda; lançar os mesmos dependentes quando a declaração é feita em separado pelos cônjuges ou companheiros; informar dependentes sem ter a relação de dependência; deixar de informar os rendimentos de aluguel recebidos durante o ano, entre outros.

Outro ponto de atenção citado por Claudionei são os investimentos em criptomoedas. Agora reconhecida pela Receita Federal brasileira, tal aplicação “sai” do caixa do declarante para algum lugar e “volta” com rendimento.

Sendo assim, é interessante declarar esses investimentos, já que eles também são passíveis de acabar na malha fina. Quando o valor é superior a R$ 35.000,00 de ganho de capital, a aplicação da tributação do Imposto de Renda será de 15% a 22,5%.

O que fazer para não cair na malha fina

A melhor maneira de evitar a malha fina é fazer a declaração de forma correta e com antecedência, guardando os documentos comprobatórios durante pelo menos 5 anos.

O contribuinte pode acompanhar a situação pelo extrato da Declaração do Imposto de Renda.

O que fazer quando cair na malha fina

Caso o contribuinte seja alvo da malha fina, é preciso fazer a retificação da Declaração do Imposto de Renda junto à Receita Federal.

É recomendável fazer um check-list dos documentos que foram base no preenchimento da declaração para conferência das informações.

Caso o contribuinte identifique o erro, após ter transmitido a sua declaração ou após o prazo de entrega ter se encerrado, o declarador pode retificar as informações, ou seja, espontaneamente esclarecer as discrepâncias, sem precisar ser intimado para isso.
 

De que forma a malha fina prejudica as pessoas

Caso o contribuinte ignore a exigência da Receita e fique constatado que realmente houve erro ou omissão de informações que resultem em mais imposto a pagar, o contribuinte autuado está sujeito a uma multa que varia de 37,5% a 225% do valor devido, mais Selic do período.

Em suma, cair na malha fina é apenas prejudicial no aspecto de que atrasa a restituição e gera retrabalho. Porém, a situação pode se complicar caso o contribuinte tenha agido com dolo na prestação de dados ao fisco com o intuito de se beneficiar.

Fontes consultadas: Lizandra Menezes, contadora e professora da Estácio, e Claudionei Santa Lúcia, parceiro da GetNinjas.

Edição: Ernani Fagundes, jornalista responsável pelo conteúdo do Blog do Grana.

E-mail: ernani.fagundes@grana.capital (mande sua opinião sobre o Blog do Grana e sugestões para melhorar sua experiência no site de notícias de mercado e de investimentos).

Para evitar as garras do Leão da Receita: Consulte o Grana

Para informações sobre a Declaração de investimentos em Bolsa: ações, fundos imobiliários, Fiagro, BDRs, ETFs, BDRs de ETFs, consulte o Grana:

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App