Balanços ajustam preços de ações à realidade | Por Ernani Fagundes

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

A temporada de balanços começou nos Estados Unidos e – da minha experiência como jornalista de finanças – devem ajustar os preços das valorizadas ações de companhias norte-americanas à realidade dos números.

Os primeiros balanços dos bancos norte-americanos divulgados em 14 de janeiro de 2022 – JP Morgan, Wells Fargo e Citigroup – mesmo exibindo resultados acima das expectativas para o quarto trimestre de 2021 – azedaram o humor dos mercados, pois os investidores passam a visualizar dias mais difíceis – sem estímulos monetários – pela frente.

Fim da festa em Wall Street

Em 2021, os principais índices das Bolsas norte-americanas (Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq Composite) atingiram novos recordes em pontuação surfando em estímulos monetários promovidos pelo Federal Reserve (FED, o BC dos EUA) adotados após a eclosão da pandemia de covid-19 no primeiro trimestre de 2020.

Mas como na crise global anterior de 2008, o mesmo FED que promoveu a festa da liquidez mundial, deverá em algum momento próximo retirar “o chopp da festa” da Wall Street.

O motivo do fim do baile é a inflação. O aumento de preços ao consumidor nos EUA bateu em 7% e os preços do atacado dispararam cerca de 10% no ano passado.

Inflação é global

A inflação elevada não é restrita aos EUA.

O aumento de preços é global e está espalhado por todos os continentes.

No Brasil, o consumidor sente o aumento dos preços no bolso (IPCA de 10% em 2021). E o Banco Central do Brasil (BCB) mesmo subindo os juros a cada reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) continua atrasado em controlar as expectativas de inflação futura.

Nos EUA, a alta dos juros é considerada necessária para controlar a inflação.

No Brasil, uma corrente de economistas mais ligados ao mercado, também defende a alta dos juros pelo BC na casa de dois dígitos (acima de 10% ao ano) para debelar “o dragão” antes que ele escape do controle.

Desafio fiscal no Brasil

Mas uma outra corrente menor, de economistas mais acadêmicos, também lembra que a nossa dívida pública acima de R$ 5 trilhões é muito elevada para ser rolada com juros acima de 10% ao ano.

Numa conta simples, são R$ 500 bilhões em custos com a dívida pública.

Em ano eleitoral como 2022, com inflação elevada, renda baixa e desemprego nas alturas, essa conta insustentável com os juros irá chegar à nossa sociedade em algum momento.

Volatilidade em ano eleitoral

Na minha modesta opinião de jornalista – opinião que não significa nada no mercado – mas que utilizo com o direito da liberdade de imprensa – a volatilidade (sobe e desce constante dos preços das ações) está garantida na Bolsa em 2022.

Com isso, é muito difícil que o mercado de capitais brasileiro volte a registrar números recordes de captação de recursos em 2022.

Rentabilidade dos IPOs em 2021

De acordo com levantamento da Economatica encaminhado ao Blog do Grana, as 47 ofertas públicas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) realizados em 2021 registraram uma mediana de rentabilidade negativa de -22,24% desde a abertura de capital.

Ou seja, a maioria das ações das empresas que abriram capital na Bolsa (B3) mostraram desvalorização no ano passado.

Mas para ser justo, a Economatica relacionou 12 novas empresas com desempenho positivo.

Confira a relação abaixo:

  • ASAI3 – Assaí: +343,67%*
  • VAMO3 – Vamos Locação: +87,22%
  • INTB3 – Intelbras: +78,57%
  • VITT3 – Vittia: +68,96%
  • SOJA3 – Boa Safra: +60,20%
  • ARML3 – Armac: +57,90%
  • GGPS3 – GPS: +33,76%
  • JALL3 – Jalles Machado: +29,57%
  • RECV3 – PetroRecôncavo: +26,78%
  • ORVR3 – Órizon: +22,27%
  • CBAV3 – CBA: +22,05%
  • IFCM3 – Infracomm: +9,38%

(*) O Assaí foi desmembrado do Grupo Pão de Açúcar (GPA), e a ação do Pão de Açúcar (PCAR3) caiu 62,77% em 2021.

Mercado de capitais em 2021

De acordo com boletim da Anbima encaminhado ao Blog do Grana, as ofertas das companhias brasileiras no mercado de capitais somaram R$ 596 bilhões em 2021, o maior resultado da nossa série histórica, iniciada em 2012. Tanto as emissões de renda fixa, quanto as de renda variável, apresentaram volumes recordes (em valores nominais), de R$ 467,9 bilhões e de R$ 128,1 bilhões, respectivamente.

“O balanço mostra que tivemos um ótimo ano para as captações das empresas. O grande destaque é a evolução do mercado como um todo. Não foi só uma classe de instrumentos que avançou, foram todas, na renda fixa e na variável”, afirma José Eduardo Laloni, vice-presidente da Anbima, em coletiva de imprensa.

IPOs e ofertas de aumento de capital

Entre os instrumentos de renda variável, os IPOs (ofertas públicas iniciais de ações) se destacaram no ano, com 46 operações que movimentaram R$ 63,6 bilhões. O volume é 46,9% maior do que o registrado em 2020 (R$ 43,5 bilhões), quando já havia sido verificada alta em relação aos períodos anteriores.

Já os follow-ons (emissões de aumento de capital) somaram R$ 64,5 bilhões em 26 operações. Considerando o total de ofertas de ações no ano (R$ 128,1 bilhões), os fundos de investimento ficaram com a maior parte do valor levantado (48,4%), seguidos pelos investidores estrangeiros (35,5%), demais investidores institucionais (8,4%) e pelas pessoas físicas (6,7%).

Ofertas de debêntures

Na renda fixa, as debêntures foram os principais instrumentos usados pelas empresas em 2021, com volume de R$ 253,4 bilhões, mais que o dobro do que o apurado em 2020, em 487 operações.

A maioria das emissões teve os recursos destinados para capital de giro (33,3%) e refinanciamento de passivo (22%), com porcentual relevante no investimento em infraestrutura, cuja participação subiu para 21,2% (contra 14% em 2020).

Fundos imobiliários

Os fundos imobiliários também bateram recorde de emissões em 2021. No ano, foram realizadas 330 operações (ofertas públicas e restritas), que somaram R$ 49,5 bilhões.

Fiagro

A nova categoria de Fundo de Investimento nas Cadeias Produtivas do Agronegócio (Fiagro) levantou R$ 1,2 bilhão em 2021, nos cálculos divulgados pela Anbima.

Lembrete para quem ganhou dinheiro com o BDR do Nubank

Por fim, para encerrar a coluna Notas do Grana de hoje (14/01/2022), se você é um dos felizardos que ganhou dinheiro nos primeiros dias de dezembro de 2021 com as BDRs do Nubank, aqui vai um lembrete:

O Imposto de Renda (IR) sobre ganhos de capital deve ser pago via DARF até 30 de janeiro próximo.

Para resolver essa questão do IR automaticamente, clique no link abaixo para mais informações:

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App