Conheça a carteira de dividendos de José Cataldo para dezembro de 2021

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Carteira de dividendos para dezembro de 2021.

O estrategista de análise José Francisco Cataldo Ferreira encaminhou ao Blog do Grana uma seleção de 5 papéis de empresas consideradas sólidas para atravessar o momento de incertezas do mercado e entregar dividendos (parte dos lucros) aos acionistas.

Confira na sequência do texto, os argumentos de Cataldo e da equipe de análise da Ágora Investimentos para cada uma das ações selecionadas:

Carteira dividendos para dezembro

Pela média de dividend yield (dividendo proporcional ao valor da ação) dos cinco papéis selecionados, a estimativa é de uma entrega dos ganhos de 5,8% ao ano, similar ao ganho líquido da caderneta de poupança com os juros atuais.

Vale lembrar que o investimento em empresas que distribuem dividendos é de renda variável, ou seja, os preços dos ativos variam na Bolsa (B3).

Já a poupança é mais segura, mas o valor do patrimônio inicial fica parado. O rendimento é formado apenas pelos juros desse capital.

Itaúsa (ITSA4) – Dividend Yield estimado de 4,6% em 2021

Acreditamos que a Itaúsa pode ser uma alternativa ao Itaú, tendo uma exposição ao banco, ao mesmo tempo em que está se diversificando cada vez mais, o que pode ser feito com a venda de participações em empresas de serviços financeiros (exemplo: XP Inc.) ou com a exploração de outros segmentos.

Como referência, a empresa vem estudando investimentos em distribuição de energia e agronegócio.

Além disso, a versão atual da reforma tributária deve impactar positivamente a Itaúsa, uma vez que o fim dos juros sobre o capital próprio (JCP) do Itaú deve reduzir o pagamento de PIS/Cofins.

Esses pagamentos de impostos representam despesas de R$ 300 milhões a R$ 500 milhões ao ano, e são da holding a maior despesa, após despesas pessoais.

Além disso, as menores alíquotas de imposto de renda gerariam maiores resultados para as investidas.

Assim, mantemos nossa recomendação de compra para a ação, que permanece com um desconto.

Vibra (VBBR3) – Dividend yield estimado de 7,1% em 2021

Seguimos confiantes na estratégia da Vibra Energia (antiga BR Distribuidora) em implementar sua estratégia de crescimento e diversificação no longo prazo.

Embora a tese de investimento dependa fortemente da atividade doméstica, e que, portanto, uma desaceleração do PIB poderia ser negativa.

Entendemos que seu foco em eficiência pode ser capaz de preservar a rentabilidade do negócio, ao mesmo tempo em que oportunidades de M&A (fusões e aquisições) devem acelerar o processo de mudança na matriz energética da companhia, como a recém anunciada joint venture (parceria) com a Comerc.

A Comerc é uma das principais empresas de comercialização de energia do Brasil e também tem um portfólio de projetos de geração renovável.

Em nossa visão, a Vibra aposta em várias frentes de transição, mas com foco no futuro da eletrificação.

Taesa (TAEE11) – Dividend yield estimado de 8,7% em 2021

A Taesa é uma opção para carteiras com foco nos dividendos.

Como já comentado em outros momentos, o segmento de transmissão de energia elétrica não depende da demanda por energia, uma vez que suas receitas são pré-estabelecidas, com reajustes por inflação.

Destacamos que a Taesa não possui dívida atrelada ao dólar.

A empresa pode investir em novos projetos e ainda assim seguir levando a um dividend yield na casa dos 8,5% em 2021 e 2022.

Portanto, em função destas caraterísticas, vemos a Taesa como um nome mais resiliente para períodos de maior volatilidade no mercado.

Ambev (ABEV3) – Dividend yield estimado de 3,2% em 2021

A Ambev é um ativo usualmente buscado pelos investidores em momentos de maior instabilidade no mercado.

Em nossa visão, a Ambev pode se beneficiar no longo prazo da esperada redução dos preços dos grãos.

Considerando a nossa visão de baixa sobre os custos agrícolas (20% do total) e que os aumentos de preços provavelmente permanecerão (como acontecem historicamente), o lucro líquido do consenso de mercado parece excessivamente baixo para o período entre 2022 e 2024.

Leva cerca de 12 meses para que os preços das commodities reflitam nos resultados da companhia dados os hedges (proteções), mas o mercado provavelmente irá antecipar ganhos mais fortes devido à queda (futura) nos preços agrícolas.

Os principais riscos são a concorrência da Heineken e o atraso na recuperação do consumo de produtos de margens
mais altas.

Telefônica Vivo (VIVT3) – Dividend yield estimado de 5,4% em 2021

Os últimos resultados da Telefônica Brasil vieram em linha com as expectativas de consenso e mostraram
tendências semelhantes ao longo do ano.

Mostraram também impulso contínuo no segmento fibra (FTTH), com 310 mil adesões líquidas, levando a uma base total de assinantes de 4,36 milhões.

Vale a pena notar, que o número de casas com fibra aumentou para 18,3 milhões no terceiro trimestre de 17,3 milhões no trimestre anterior.

A aceleração do FTTH (fibra) tanto em adições líquidas quanto em receitas deve continuar compensando a queda das tecnologias legadas, ajudando também a proteger a base pós-paga por meio dos pacotes.

Acreditamos que a empresa está se movendo na direção certa, especialmente em relação à implantação de fibra (FTTH).

Notamos que o ativo VIVT3 está com o preço descontado, negociando com um múltiplo que representa um desconto em torno de 20% em relação à sua média de cinco anos.

A Telefônica Brasil é uma empresa que paga dividendos e estamos otimistas com o caso de investimento.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App