Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Notas do Grana por Ernani Fagundes Edição semanal nº 4 – 26/11/2021

Anbima ultrapassa marca de 600 debêntures precificadas por dia

Se há preço, há negociação.

No passado recente havia uma dificuldade maior de se negociar debêntures (títulos de dívida das empresas) no mercado pois uma boa parte delas não possuía precificação diária. Ou seja, não tinha preço de referência.

Isso está mudando para melhor e ajuda os investidores a tomarem melhores decisões na compra e na venda dos ativos.

A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) informou que ultrapassou a marca recorde de 600 debêntures precificadas diariamente.

O número representa 92,4% do total das séries desses ativos negociadas no mercado secundário neste mês de novembro (até o dia 17).

“Além do importante papel que a precificação desempenha na marcação a mercado dos títulos privados, ela é também uma ferramenta que contribuiu para a tomada de decisões estratégicas de risco e negociação por parte dos gestores de recursos”, afirma Hilton Notini, gerente de Preços e Índices da Anbima.

BNDES aporta R$ 345 milhões em FIDC de crédito para PMEs

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou que aportou R$ 345 milhões no FIDC BizCapital Finpass PME no âmbito da Chamada Pública para Fundos de Crédito para MPMEs.

O fundo, que também contará com o aporte das estruturadoras e cogestoras Empírica e Gauss Capital, além de terceiros, totalizará um capital de R$ 407 milhões.

O objetivo do fundo é disponibilizar crédito para empreendedores de pequeno e médio portes com faturamento anual acima de R$ 5 milhões.

O tíquete médio esperado é de R$ 250 mil, o prazo dos empréstimos, de 24 meses e o custo ao cliente final, de 2,83% ao mês.

As originadoras das operações serão as fintechs BizCapital e Finpass.

Edição semanal nº 3 – 19/11/2021

Nord Research cria gestora e planeja captar R$ 150 milhões no 1º fundo

A casa de análise independente Nord Research criou sua própria gestora, a Nord Asset, cujos fundos vão replicar as carteiras sugeridas pelos analistas da área de análise, que segue como carro-chefe.

O primeiro fundo lançado foi o Nord WMAT30 FIC FIA, de ações e restrito para os clientes da Nord Wealth, braço de gestão patrimonial da companhia.

O produto replica a estratégia da carteira ANTI-Trader, a mais dinâmica da casa, comandada pelo sócio-fundador Bruce Barbosa. 

A ideia é captar entre R$ 150 milhões e R$ 200 milhões até o final do ano.

A taxa de administração é de 1% ao ano, com taxa de performance de 10% do que superar o Ibovespa.

IBGC promove semana de educação em governança

O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) promove de 23 a 26 de novembro a Semana IBGC Educa.

Destinada a todos os públicos interessados em iniciar sua jornada em governança corporativa, a iniciativa oferece painéis on-line gratuitos com especialistas de setores diversos que vão compartilhar suas experiências mais importantes.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo site do IBGC, inclusive, ao longo da própria Semana IBGC Educa.

Ibracon promove Conferência Brasileira de Contabilidade e Auditoria

O Ibracon – Instituto dos Auditores Independentes do Brasil promoverá a 11ª Conferência Brasileira de Contabilidade e Auditoria Independente. O evento será virtual e presencial.

A Conferência será realizada nos dias 13 e 14 de dezembro, no Teatro Bradesco, em São Paulo (SP).

As vagas presenciais são limitadas.

Hurst Capital lança operação Hits da Sofrência com 1.704 músicas

Batizada de Hits da Sofrência, a operação lançada esta semana pela Hurst Capital, especializada em investimentos em ativos alternativos, conta com 1.704 músicas compostas por Diego Ferrari e Guilherme Ferraz.

A dupla vendeu parte dos royalties musicais para a Hurst Capital, que está disponibilizando para qualquer investidor que queira receber pagamentos mensais a cada reprodução.

Os clássicos da sofrência sertaneja como “Ciumeira”, “Serenata”, “Homem de família”, “Sorte que cê beija bem”, ”Não deixo não” entre outros.

Os clássicos gravados por cantores como Gustavo Lima, Maiara & Maraísa, Simone e Simaria, Mano Walter e alguns outros sucessos na voz de Marília Mendonça, fazem parte do portfólio para investidores de royalties musicais.

Startup de educação financeira Top Gain cresce 74% em 9 meses

Com apenas um ano, a Top Gain, startup de análises e educação financeira, atingiu uma audiência de 780 mil views e, em breve, deve chegar à marca de 1 milhão.

De acordo com o CEO e fundador da Top Gain, Alison Correia, a startup cresceu 74% nos últimos 9 meses.

A instituição formou mais de 43 mil alunos e 5 mil pessoas assinam os materiais.

A plataforma conta com 24 módulos que oferecem conteúdos para todos os tipos de investidores, desde quem está iniciando do absoluto zero até para quem já investe e busca por performance profissional.

Ele explica que toda a programação é feita por especialistas de mercado.

“É importante esse cuidado porque hoje as pessoas vão na onda de influencers, muitos sem qualificação para isso”, afirma.

Notas do Grana – Edição semanal nº 2 – 12/11/2021

Trígono Capital lança ETF TRIG11 na B3

A gestora Trígono Capital lançou no data de 12 de novembro de 2021 na Bolsa (B3), o ETF TRIG11.

Foto: Divulgação/B3

O ETF Trígono Teva Ações Micro Cap Small Caps Fundo de Índice segue um índice desenvolvido pela Teva Índices, o Teva Ações Micro Caps.

Atualmente, a carteira possui 91 ativos de 16 setores do mercado.

Dentre elas, estão empresas ligadas mais diretamente ao setor produtivo e negócios – como Kepler Weber, Marcopolo, Randon, Brasilagro e Vulcabras.

O fundo reúne empresas de consumo mais conhecidas pelo público – caso de Camil, Marisa, C&A, CVC, Burger King e Track & Field.

Além disso, o ETF inclui muitas novatas de IPOS (ofertas públicas iniciais de ações) recentes como Espaçolaser, Ambipar, 3 Tentos, BR Partners, Clearsale e Eletromidia.

SulAmérica lança fundo de crédito privado de inflação

A gestora SulAmérica Investimentos lançou o fundo SulAmérica Crédito Inflação FI RF CP LP, que possui títulos de crédito privado na carteira, que são indexados à inflação com um prêmio adicional pelo risco.

Daniela Gamboa, head de crédito privado da SulAmérica. Foto: Bruñel Galhego

“O fundo foca na alocação de emissores de baixo risco de crédito conhecidos como high grades“, explica a Head de Crédito Privado da SulAmérica Investimentos, Daniela Gamboa.

De acordo com a gestora, o fundo, classificado como “Renda Fixa Livre Duração Crédito Livre” na Anbima, é destinado a investidores de perfil moderado.

O fundo possui taxa de administração de 0,50% a.a. e 20% de performance do que exceder o IMA-B 5.

O produto está disponível na plataforma Órama, com aplicação mínima de R$ 1 mil.

Notas do Grana – Edição semanal nº 1 – 05/11/2021

13 novos BDRs de ETFs

First Trust lança 13 novos BDRs de ETFs na B3
Foto: Divulgação B3/Cauê Diniz

A gestora de investimentos internacional First Trust lançou 13 novos BDRs de ETFs na Bolsa brasileira (B3).

Os produtos são voltados apenas para investidores qualificados, ou seja, para quem possui mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras.

Os novos fundos internacionais listados na B3 aplicam em diferentes setores com diversidade de papéis nas carteiras: ações de dividendos, de empresas de gás natural, saúde, biotecnologia, tecnologia e internet.

Lista dos 13 novos BDRs de ETFs da First Trust

  • US Equity Opportunities (BFPX39)
  • International Equity Opportunities (BFPI39)
  • Morningstar Dividend Leaders (BFDL39)
  • Nasdaq Cybersecurity (BCIR39)
  • FT Natural Gas (BFCG39)
  • Nasdaq-100 Equal Weighted (BQQW39)
  • Nasdaq-100 Tecnology Sector (BQTC39)
  • Rising Dividend Achievers (BFBI39)
  • Nyse Arca Biotecnology (BFBI39)
  • Dow Jones Internet (BFDN39)
  • Health Care Alphadex (BFXH39)
  • Tecnology Alphadex (BFTA39)

De acordo com a B3, os BDRs de ETFs permitem maior exposição à mercados internacionais e diversificação em diferentes setores financeiros, geografias e moedas, que transpõe as fronteiras nacionais sem a necessidade de abertura de conta no exterior.

Ainda segundo a B3, os BDRs de ETFs são valores mobiliários emitidos no Brasil, que possuem como lastro cotas de ETFs emitidos no exterior. Ou seja, um investidor que alocar recursos nesse produto, se expõe a fundos de índices no exterior, diretamente da bolsa brasileira.

Para mais informações sobre BDRs de ETFs acesse o link abaixo:

BDRs de ETFs: Saiba como investir na China, Estados Unidos e Europa via B3

Dividendos em BDRs

A estrategista de ações da XP, Jennie Li, listou 10 BDRs, os recibos de ações de empresas estrangeiras negociadas no Brasil, que projetam dividend yield (DY, o lucro proporcional em relação ao preço da ação) acima da taxa básica de juros (Selic).

Atualmente, a Selic está em 7,75% ao ano.

De acordo com relatório de Jennie Li, também assinado pelos analistas internacionais Vinicius Araújo e Rafael Nobre, os recibos são os seguintes:

EcoPetrol (E1CO34) 35,3% de DY, SK Telecom (S1KM34) 29,3% de DY, Apartment Investments (A1IV34) 23,4% de DY, Mobile Telesystems (M1BT34) 11,3% de DY, BHP Group (BHPG34) 10,6% de DY, Rio Tinto (RIOT34) 10,6% de DY, KT Corp (K1TC34), BHP PLC (B1BL34) 9,9% de DY, British American Tobac (B1TI34) 8,7 de DY e Lumen Technologies (L1MN34) com 8,2% de DY.

Jennie Li, estrategista de ações da XP
Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App