Usando a regra do imposto de renda a nosso favor [Roberto Sávio]

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Olá pessoal, tudo bem que em períodos de queda como estamos, nossa única preocupação é: quando isso vai passar? Quando minha carteira vai voltar a crescer?

É uma época de apreensão, de colocar a prova nossa convicção e de muita dor de barriga….rs

Depois de alguns anos investindo na bolsa, mesmo nessas épocas, as quedas são diminuição de lucros e não são prejuízos de fato. Então, algum lucro das nossas posições continua lá.

E um dos motivos de sermos assinantes do GRANA é que o aplicativo nos ajuda a declarar corretamente esses lucros quando vendemos nossas posições.

Existe um valor de venda por mês que o lucro dessa venda fica isento do IR. De forma simplificada, a regra é que podemos fazer vendas de até R$ 20 mil reais por mês sem que o lucro dessa operação seja tributado.

E aqui entra uma estratégia que tenho estudado com mais atenção e já fiz algumas vezes: vender até R$ 20 mil no último dia do mês e recomprar no primeiro dia do mês seguinte. Dessa forma, o lucro “some” da minha contabilidade e evita tributação futura.

Isso não tira a necessidade de declaração. Apenas evita o imposto a se pagar.

Operações que fiz recentemente:

MêsVendaLucroIR Evitado
ago/setR$ 19.110,00 R$ 9.791,84 R$ 1.468,78
set/out R$ 15.570,92 R$ 8.905,08 R$ 1.335,76

No final de outubro não fiz mais operações por causa da volatilidade e porque minhas posições não estão com valor de lucro aberto suficiente pra valer a pena esse giro. A não ser PRIO, mas essa tinha isenção de IR quando comprei.

Um exemplo de como esse giro pode valer a pena:

Suponha uma carteira de R$ 100mil, onde no dia 1 (D1) esteja com R$ 10.000,0 de lucro. Fazendo o giro, é possível evitar R$ 1.500,00 de imposto. No D2, essa carteira cresceu mais R$ 20.000,00 de lucro, alcançando um total de R$ 130.000,00. O giro evitaria outros R$ 3.000,00 de imposto.

Chegando no D3, depois de mais R$ 20.000,00 de lucro, o investidor decide encerrar a posição com um valor total R$ 150.000,00 na carteira. Nesse momento ele precisa pagar o imposto apenas do último lucro, ou seja, R$ 3.000,00 que representa 15% de R$ 20.000,00.

CarteiraLucroImposto
D1R$ 100.000,00R$ 10.000,00R$     1.500,00
D2R$ 130.000,00R$ 20.000,00R$ 3.000,00
D3R$ 150.000,00R$ 20.000,00R$ 3.000,00

Agora imaginem que esse giro não aconteceu. No momento que encerrar a posição em D3, o investidor terá que pagar 15% dos R$ 50.000,00 que teve de lucro total.

Nesse caso, R$ 7.500,00. O investidor pagou R$ 4.500,00 de imposto que poderia ter sido evitado.

Com giro, o IR representou 2% da carteira hipotética, ou 6% do lucro. Sem giro, o IR representa 5% da carteira e 15% do lucro.

IRxCarteiraIRxLucro
Com giro2%6%
Sem giro5%15%

Existe um risco nessa operação que é maior em ações muito voláteis que podem ter subidas repentinas. Pode acontecer do papel disparar justamente no dia da sua compra.

Tem que ter muito azar, mas aconteceu comigo…rs… Tive que torcer para o papel voltar a um patamar que o valor pago a mais não ficasse maior que o imposto que eu economizei.

Meus estudos iniciais mostram que é uma operação que faz sentido. Estou aprofundando o estudo para entender melhor a partir de qual e até que valor a operação vai realmente impactar positivamente minha carteira.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App