Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Olá, pessoal,

Minha carteira da Bolsa hoje é formada unicamente por fundos de investimento imobiliário (FIIs). 

Escolhi dessa forma porque eu já tinha tido uma rentabilidade muito alta com ações nos últimos meses e acreditava que não seria sustentável. 

Assim, no primeiro semestre vendi todas as minhas ações e guardei parte do dinheiro como reserva de oportunidade. 

A reserva de oportunidade é uma quantia que o investidor deixa guardada, em uma aplicação de baixo risco, enquanto espera o preço dos ativos caírem, para comprar na baixa. 

Estamos próximos a um ano eleitoral, e a expectativa é de muita volatilidade na Bolsa até outubro de 2022. 

Com isso, devem surgir algumas oportunidades na Bolsa e, quando isso ocorrer, quero estar com dinheiro em caixa para investir. 

O restante do dinheiro que recebi ao vender minhas ações eu apliquei em fundos imobiliários, pois são ativos menos voláteis. Além disso, os FIIs tiveram uma queda forte de preço no início da pandemia e muitos ainda não recuperaram o patamar anterior. 

Para terminar o comentário de hoje, vou falar de dois FIIs que eu tenho na carteira e explicar por que os escolhi. 

KNIP11: A primeira vez em que ouvi falar desse fundo foi em 2018, se bem me lembro, conversando com o Marcos Baroni, da Suno Research. Na ocasião, ele me sugeriu investir nesse ativo por pagar proventos de forma consistente. 

Trata-se de um fundo tão estável que ele comparou com o Tesouro IPCA (um título do Tesouro Direto). (Claro, ele disse isso em uma conversa informação. Literalmente, o KNIP11 tem risco bem maior do que os títulos do Tesouro.)

De qualquer maneira, qualquer análise que eu viesse a fazer seria inferior à do Baroni. Então eu apenas verifiquei o histórico de pagamento de proventos, vi que, de fato, estava muito estável para o nível de retorno que oferece, e investi.

URPR11: Como eu já tenho na carteira um FII muito estável e com bom retorno, decidi investir também em um mais arriscado e com DY ainda maior. Escolhi o URPR11 porque, além de ter um dos yields mais altos do país, tem um portfólio relativamente pulverizado. De fato, até agora, não me decepcionou.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App