VGBL vale a pena? Resgate cresce e supera R$ 50 bi no ano | Por Ernani Fagundes

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Por Ernani Fagundes*

Houve um tempo não muito distante em que você visitava sua agência bancária e o gerente da sua conta sempre te oferecia um plano de previdência privada aberto.

Era aquela sopa de letrinhas, o Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL) que você pagava R$ 100 por mês e nunca se aposentava.

Hoje, o mesmo gerente ou corretor te oferece o VGBL por telefone, por mensagem ou no aplicativo pela internet.

  • Maioria das ações de IPOs registram perdas em 2021. Entenda!
  • Quais ações comprar? Saiba quais as três ações mais indicadas do mês. Confira!

Pela lei, esse tipo de aplicação financeira é um investimento de longo prazo e até possui incentivos fiscais para quem escolhe a tabela regressiva do Imposto de Renda (IR) e fica aportado por mais de 10 anos.

Mas se você encontrar alguém que se aposentou com um VGBL, me avisa! Eu quero entrevistar essa pessoa. Eu não conheço ninguém!

E por essa ausência de beneficiados, vou te dar algumas informações sobre esse assunto!

Resgata de um lado, entra de outro

Segundo dados da Susep, a Superintendência de Seguros Privados do governo, de janeiro a julho de 2021, o resgate de VGBL superou R$ 50 bilhões. É muito dinheiro!

No ano passado, no mesmo período de comparação e em plena crise causada pela pandemia de covid-19, o resgate em VGBL estava na casa dos R$ 40 bilhões. Ou seja, também já era um volume alto de saques!

Se eu pedir uma entrevista para uma grande seguradora que vende VGBL, o porta-voz vai me responder que o setor está bem e com captação líquida. Sim, é verdade!

As grandes seguradoras vendem muito o VGBL, a arrecadação neste ano está acima dos R$ 60 bilhões. O setor como um todo possui mais de R$ 1 trilhão.

Em outras palavras, as pessoas compram muito VGBL, mas também resgatam muito! O patrimônio não gera o benefício de uma aposentadoria complementar pois a maioria dos aplicadores resgata antes do prazo.

Há algo estranho nisso! O setor aparentemente vai bem pois acumula R$ 1 trilhão em patrimônio, mas poderia ser muito maior, se os clientes não retirassem tantos recursos!

Comparação com fundos de pensão

Para simples efeito de comparação, o sistema de previdência complementar fechado (fundos de pensão) possui patrimônio semelhante (R$ 1,14 trilhão) e paga mais de R$ 70 bilhões de benefícios por ano.

Visto por outro ângulo, o sistema fechado é semelhante ao aberto em tamanho de patrimônio e gera retorno para pagar bilhões em aposentadores e pensões por ano.

Os chamados “fundos de pensão” atendem 2,77 milhões de participantes ativos (contribuintes) e possui 840 mil beneficiários (aposentados e pensionistas), segundo dados atualizados da Associação Brasileira das Entidades de Previdência Complementar Fechada (Abrapp).

  • Conheça a carteira de ações de Rafael Panonko, estrategista-chefe da Toro Investimentos. Veja!
  • Saiba qual a carteira de ações de José Cataldo, estrategista de análise da Ágora Investimentos. Confira!

O que motiva os resgates do VGBL

O Blog do Grana apurou algumas razões que explicam esse aumento dos resgates em VGBL.

Veja abaixo alguns dos fatores:

  • crise econômica atual
  • falta de reserva de emergência do público de varejo
  • comercialização inadequada por agências bancárias e corretores de seguros para o público de varejo
  • produtos com rentabilidade baixa e taxas de administração elevadas para tíquetes menores
  • pouca orientação previdenciária sobre necessidade de aposentadoria maior no futuro

O que explica o patrimônio de R$ 1 trilhão

Por outro ângulo, o Blog do Grana também apurou os motivos para esse setor de previdência complementar aberta acumular mais de R$ 1 trilhão em patrimônio líquido.

A maior parte desses recursos pertence ao público de alta renda e altíssima renda (private).

Conheça os motivos para esse público aplicar em VGBL:

  • utilização do produto para planejamento sucessório com nomeação de beneficiários
  • esse público consegue acumular para o longo prazo e aproveitar benefício fiscal da tabela regressiva
  • taxas de administração menores para tíquetes maiores
  • VGBL pode agregar, por escolha do aplicador, outros produtos como seguro de vida
  • pagamento de pensão para beneficiários com prazo definido
  • acumulação de recursos para educação dos filhos

VGBL vale a pena?

Após todas essas informações acima, já há elementos suficientes para responder a questão principal desse artigo, se o VGBL vale a pena, ou não? E se o VGBL cumpre o seu papel de ser um produto de previdência privada?

A resposta é não!

O VGBL pode até ser um bom produto financeiro para o horizonte de longo prazo, mas na prática, não serve como plano de aposentadoria de ninguém!

Quem tem dinheiro e consegue menores taxas de custeio e rentabilidade melhor, acaba utilizando o VGBL para outras finalidades:

  • para planejamento sucessório de descendentes e outros beneficiários nomeados;
  • para pagar a educação dos filhos na faculdade ou em programas de intercâmbio estudantil no exterior;
  • para garantir a pensão por um determinado período para beneficiários nomeados;
  • e por conveniência de escolher e agregar outros produtos de seguridade como seguro de vida na mesma seguradora.

Custo elevado para investidor de varejo

Já para o público de varejo que ainda não possui uma reserva de emergência adequada, o VGBL é um produto muito custoso por causa das taxas de administração elevadas que, inclusive, comprometem o retorno da aplicação.

Não é por acaso esse volume bilionário em resgates! Em geral, sem o devido planejamento, as pessoas resgatam o VGBL na primeira necessidade após rasparem o dinheiro da caderneta de poupança no banco.

Portanto, se você encontrar alguém que tenha se aposentado com o VGBL, me conta! Terei muito prazer em entrevistar esse beneficiário e saber se ele está feliz com seu rendimento complementar mensal.

(*) Ernani Fagundes é jornalista e editor do Blog do Grana. Em sua carreira, foi editor do feed de Investimentos do Broadcast/Agência Estado; editor de Finanças da revista IstoÉ Dinheiro e editor de Economia e Finanças do DCI.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App