Saber o preço médio dos outros atrapalha | Por Ricardo Schweitzer

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Artigo de Ricardo Schweitzer

Não se deixe levar pelo viés de ancoragem nas suas decisões. Por Ricardo Schweitzer*

Algumas coisas parecem simplesmente inescapáveis.

A cada vez que eu abro uma caixa de perguntas no meu Instagram, a história se repete: sempre – eu disse SEMPRE – tem alguém perguntando qual é o preço médio de alguma das posições da minha carteira.

Eu realmente me pergunto qual é o significado que as pessoas buscam nesse tipo de coisa. Entre inúmeras possibilidades, só tenho uma certeza: não, a resposta não está lá.

Um preço médio de compra simplesmente nos diz que, em dado(s) momento(s) do tempo, um investidor entendeu que certo ativo a certo preço representava uma oportunidade com potencial de retorno adequado ao risco. Mas isso é só um pedaço da história; e um pedaço muito pequeno.

Primeiro, porque não sabemos se aquela média é fruto de uma ou mais operações realizadas a preços semelhantes ou se há compras realizadas a muitos preços distintos que produzem um número no meio do caminho que pouco ou nada tem a ver com a avaliação do comprador.

Segundo, porque o preço médio é um retrato do passado: não necessariamente a avaliação feita lá atrás segue válida, pura e simplesmente porque fatos ocorreram com a empresa desde então que podem incentivar a revisão de premissas.

Terceiro, porque o preço médio pouco (ou nada) diz a respeito do atual grau de confiança na tese: digamos que uma ação é negociada hoje 50% abaixo do meu preço médio de compra. O fato de eu ainda mantê-la não necessariamente implica na expectativa de ver o preço de compra alcançado ou superado – pois, como disse acima, a realidade pode ter imposto uma revisão de premissas -, mas tão somente na expectativa de vê-lo suficientemente acima do atual a ponto de justificar a manutenção da posição.

(Aliás, se o objetivo de quem questiona é medir o grau de confiança na tese, penso eu que muito mais proveitoso seria perguntar de quanto é a exposição ao invés do preço médio. Faz diferença ter 1%, 5% ou 30% da carteira em determinado ativo…)

Essa fixação por preço médio tem muito a ver com um viés comportamental chamado viés de ancoragem. Basicamente, nossos cérebros têm certa dificuldade em mensurar coisas em termos absolutos, então busca referências nas quais se balizar: pode ser um preço daquele mesmo ativo num momento passado, ou o preço de um ativo similar… enfim: temos a tendência de formar expectativas a partir de referências que não necessariamente seguem válidas ou fazem algum sentido.

É a famosa história da ação que cai e o sujeito encasqueta que só vai vender quando voltar ao preço original. Ou da ação que supostamente vale a pena comprar pura e simplesmente porque caiu muito… e por aí vai.

Simplesmente não funciona assim, minha gente.

Vamos combinar assim: preço médio não importa. Ele é um retrato do passado que não deve servir para absolutamente nada nas suas decisões de hoje. Importa o preço de hoje: com base nas suas expectativas, a ação oferece bom potencial de retorno a partir do preço atual ou não? E essas expectativas foram formadas a partir de bases razoáveis ou não?

E vou além: dentre os demais ativos no mercado, a preços de hoje, existem outras alternativas que ofereçam potencial melhor (mais retorno para o mesmo risco, ou menos risco para o mesmo retorno ou ainda menos retorno mas ainda menos risco…) do que a ação que você já tem?

Não tenha medo de mudar de ideia. Faz parte do processo. Só cuidado para não mudar só por mudar.

E pare de manjar o preço dos outros: você não faz a menor ideia da sucessão de acontecimentos que nele resultaram e não tirará quase nada de bom disso.


*Ricardo Schweitzer é analista CNPI, consultor CVM e investidor profissional.

Twitter: @_rschweitzer, Instagram: @ricardoschweitzer

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App