Conheça a carteira de ações para outubro de Rafael Panonko, estrategista da Toro

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

O estrategista-chefe da Toro Investimentos, Rafael Panonko, já encaminhou para o Blog do Grana, sua carteira de ações recomendada para o mês de outubro. Vamos detalhar cada um dos papéis e os argumentos dele aqui para você!

Confira na sequência do texto!

AMAR3 – Marisa

Considerada a maior rede de moda feminina nacional, a Marisa (AMAR3) desenvolve e comercializa uma ampla variedade de produtos através da sua marca corporativa “Marisa”.

“A empresa vem realizando sua reestruturação (turnaround) em conjunto com o processo de digitalização, o que gera perspectivas positivas para o desempenho futuro da empresa. Fazendo uma análise do preço das ações, as empresas varejistas foram fortemente impactadas pelo aumento de juros e pelo cenário inflacionário que temos vivido no Brasil, mas acreditamos que as quedas mais importantes já aconteceram”, relata.

BBAS3Banco do Brasil

O Banco do Brasil (BBAS3) é uma instituição financeira sob controle do Governo Federal, que detém cerca de 50% do total de ações da companhia, composta na forma de empresa de economia mista.

“A companhia pode se beneficiar dos spreads (diferença entre os custos pagos pela instituição financeira para a captação de recursos e quanto ela cobra nas operações de crédito realizadas), em função dos aumentos das taxas básicas de juros projetadas e intenso investimento em tecnologia, a partir da ampliação de suas operações em serviços digitais”, afirma.

BBSE3BB Seguridade

Segundo o estrategista, o setor financeiro pode se beneficiar do aumento da taxa básica de juros.

“Isso acontece pela elevação nos resultados financeiros da companhia que vem dos rendimentos do caixa e das aplicações financeiras em renda fixa atrelada ao CDI. No caso da BB Seguridade, a companhia tem um portfólio bem diversificado, então não depende apenas do resultado financeiro e ainda outras importantes linhas de receita”, diz.  

CCRO3CCR

A CCR (CCRO3) é uma das mais expressivas empresas de concessão de infraestrutura da América Latina. No âmbito da mobilidade urbana, a empresa é sócia de concessões de metrô, de barcas e do VLT (sigla para Veículo Leve sobre Trilhos). Além disso, a empresa atua em operações aeroportuárias, detendo concessões em Belo Horizonte (MG), Curaçao, Costa Rica e também no Equador.

“Como a companhia depende diretamente do nível de aquecimento da economia para ampliar o fluxo de passageiros, do qual parte de seus negócios é dependente, a pandemia de covid-19 acabou trazendo reflexos nos números da empresa, especialmente no ano de 2020. Todavia observamos um alívio em seus resultados do segundo trimestre de 2021, reflexo da retomada, ainda que lenta”, afirma.  

ENEV3Eneva

A Eneva (ENEV3) é o maior player privado do setor de gás natural e termelétricas no Brasil. Além de operar em um segmento considerado estável, a empresa ainda consegue margens elevadas com preços muito competitivos. No último trimestre a companhia reportou lucro líquido de R$ 118,1 milhão, um salto de 37,7%.

“Um ponto importante é que, as perspectivas para geração termelétricas de energia no Brasil são promissoras, uma vez que garantem a segurança do sistema com o aumento de usinas eólicas e solares. Dessa forma a empresa já planeja dois novos projetos de geração a gás, e isso deve trazer um bom crescimento de receitas para a Eneva já nos próximos trimestres”, aponta.  

GOAU4Gerdau

A Gerdau (GOAU4) é uma das principais fornecedoras de aços longos nas Américas e de aços especiais no mundo.

“Em setembro alguns fatores como novas restrições contra o coronavírus, menores estímulos governamentais e escassez de insumos para a produção em conjunto com as regulações do governo chinês sobre a produção do aço, também afetaram o desempenho de empresas brasileiras produtoras de commodities”, observa.

“Todavia acreditamos que o movimento de desconto mais expressivo para as ações já aconteceu e que um pico de correção nos preços possa acontecer em outubro, amparada também pela expectativa de que o pico da demanda chinesa no outono ajude a recuperação imediata dos preços”, afirma.

SUZB3Suzano

Entre as maiores produtoras de celulose e integradas de papel do mundo, a Suzano (SUZB3) se beneficia da elevada demanda mundial por seus produtos.

Segundo o estrategista-chefe, recentemente, as ações da empresa vêm sendo afetadas pela perspectiva de desaceleração da retomada econômica em função da divulgação de dados econômicos mais fracos nas principais economias do mundo.

“Entretanto, entendemos que os preços do papel e da celulose tendem a ser impulsionados pelo crescimento da demanda por embalagens, em razão da expansão do e-commerce, e por papéis sanitários, em consequência do aumento da preocupação com questões relacionadas à higiene”, diz.

TOTS3Totvs

Com atuação diversificada em vários segmentos econômicos, a Totvs é considerada líder no mercado de sistemas de gestão empresarial.

“A empresa também se destaca pelas ações de melhoria operacional para redução de custos e despesas, enquanto tem realizado um projeto continuado de expansão de seus negócios. Além disso, a Totvs segue focada em alterar a natureza das suas receitas”, relata.

UGPA3Ultrapar

A Ultrapar (UGPA3) é um dos maiores grupos empresariais brasileiros, atuando nos nos setores de distribuição de combustíveis através da Ultragaz e da Ipiranga, dentre outras linhas de negócio.

“Se observarmos uma retomada econômica em 2022, a Ultrapar pode se beneficiar de uma melhora nas vendas e da diluição de custos fixos com a elevação dos volumes de combustíveis líquidos vendidos”, prevê.

VIIA3Via

A Via (VIIA3) se tornou referência no varejo nacional, principalmente no e-commerce, ao longo dos últimos tempos.

“A empresa conseguiu avançar mesmo ao longo da pandemia. Nos últimos meses, o ativo voltou a patamares de preço atrativos na Bolsa. A volta do otimismo com o consumo e o aumento sazonal da demanda observada no último trimestre do ano, pode pressionar a retomada das altas das ações”, diz.  

Bancos podem se beneficiar da alta da Selic

No mesmo relatório assinado por Rafael Panonko e a equipe da Toro Investimentos, o texto destacou que os bancos podem se beneficiar de um ciclo de alta da taxa básica de juros (Selic).

“Isto tende a acontecer porque agora o movimento esperado diante de juros maiores é o contrário: crescerá também o nível de risco na concessão de empréstimos e financiamentos, o que implica naturalmente em um prêmio maior para remunerar as instituições credoras. Além dos bancos, seguradoras, empresas de cartões de crédito e de meios de pagamento tendem a se beneficiar com o aumento da taxa básica de juros”, descreve o relatório.

Varejo é impactado pela alta de juros

Segundo o relatório, as ações das empresas varejistas foram fortemente impactadas pela alta de juros e pelo aumento da inflação.

“Isso acontece porque, o setor acaba sendo um dos mais elásticos ao aumento dos preços. Além disso, juros mais altos implicam em aumento das despesas dos indivíduos com crédito e, portanto, aumentam o seu endividamento e reduzem a renda disponível para realizar outros gastos”, descreve o texto do documento.

“Porém, acreditamos que esse movimento de queda mais expressivo para as ações já aconteceu. Estamos iniciando o último trimestre do ano, e o aumento sazonal da demanda por varejo nesta época implica em melhora nas vendas e consequentemente nos números das empresas”, completa o relatório.  

Preço das commodities apresenta forte volatilidade

O relatório também destacou que o preço das principais commodities negociadas no mundo tem apresentado forte volatilidade nos últimos tempos, em especial no último mês de setembro.

“Alguns fatores como, novas restrições contra o coronavírus, dos menores estímulos governamentais, da escassez de insumos para a produção em conjunto com as regulações do governo chinês sobre a produção do aço, também afetaram o desempenho de empresas brasileiras produtoras de commodities”, descreve o texto.

“Porém, apesar do viés de queda para os preços de tais matérias primas, um cenário de correção pode acontecer em outubro, em meio à expectativa de que o pico da demanda chinesa no outono ajude a recuperação imediata dos preços”, conclui o relatório da Toro Investimentos.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App