Selic em 6,25% ao ano: Qual o impacto da alta dos juros nos investimentos em ações

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

No último dia 22 de setembro de 2021, o Banco Central (BC) subiu a taxa básica de juros – chamada de taxa Selic – em um ponto porcentual para o patamar de 6,25% ao ano.

Segundo o comunicado divulgado pelo Banco Central, para a próxima em seis semanas, o Comitê de Política Monetária (Copom) – o grupo de diretores do BC que decide sobre os juros – “antevê outro ajuste da mesma magnitude”. Em outras palavras, o BC já prevê que a taxa básica de juros deve subir mais um ponto porcentual, para 7,25% ao ano.

Diante desse aumento significativo nos juros, o Blog do Grana consultou profissionais de mercado para saber qual será o impacto disso nos investimentos em ações. Saiba a opinião deles na sequência do texto !

O que você vai aprender nesse artigo:

  • Qual o impacto do aumento da Selic nos investimentos em ações
  • Quais setores listados na Bolsa são prejudicados com a alta dos juros
  • Quais setores da Bolsa são beneficiados com o aumento da Selic

Qual o impacto do aumento da Selic nos investimentos em ações

Segundo os consultados, de uma forma geral, o aumento dos juros afeta o custo do crédito e de financiamento de empresas e de consumidores.

Mas há algumas diferenças, os grandes bancos (ex. BB, Bradesco, Itaú e Santander) eventualmente podem se beneficiar da alta dos spreads bancários (diferença entre o custo de captação dos recursos e a taxas dos empréstimos) e as seguradoras (ex. SulAmérica e Porto Seguro) podem ter um aumento de suas receitas financeiras com a rentabilidade maior de suas reservas técnicas.

Na ponta contrária, companhias muito endividadas (ex. Eletrobras) podem ser prejudicadas com o custo maior de suas dívidas. As construtoras do setor imobiliário também podem ser impactadas nas vendas dos imóveis devido ao encarecimento das taxas de financiamento de seus clientes.

Na sequência do texto, as respostas de cada um dos consultados pelo Blog do Grana! Confira!

Mauro Morelli, estrategista chefe da Davos Investimentos:

“Via de regra, o aumento de juros impacta negativamente o mercado acionário. Mas, não raro, dependendo das expectativas, o aumento de juros até pode ser positivo para Bolsa. A alta (de 1 ponto porcentual) já está no preço (das ações), então, eu tenho dúvidas se causará mais impactos (negativos). No Brasil, o mercado acionário tem reagido muito mais aos fatores externos ou políticos de Brasília do que ao aumento dos juros. O aumento de 1 ponto porcentual deve ser encarado como um mal necessário por causa da pressão inflacionária e para conter as expectativas futuras da inflação”, diz Morelli.

Gabriel Cordeiro, assessor de investimentos da PHI Investimentos:

“Sabemos que o aumento de juros deixa a renda fixa mais atrativa, então, há alguma fuga de capital da renda variável (ações) para a renda fixa fazendo com que algumas ações possam se desvalorizar ou diminuir seu crescimento (valorização)”, afirma Cordeiro.

Vinicius Horstmann, gerente financeiro da Ahfin:

“De modo geral, quase todas as ações são impactadas pra baixo quando há aumento da Selic, porque essas empresas vão ter que dar um retorno maior em relação ao seu preço de mercado para continuarem sendo vantajosa para o investidor”, afirma Horstmann.

“Caso as empresas continuem dando o mesmo nível de lucro para elas continuarem dando retorno em termos de dividendos em relação ao preço da empresa, as ações devem a longo, médio e curto prazo cair. Então, caso essa Selic aumente consideravelmente e essas empresas não consigam crescer durante esse período, as ações dela devem cair porque elas não vão estar dando tanto retorno em relação aos preços delas”, argumenta Horstmann.

Quais setores listados na Bolsa são prejudicados pela alta dos juros

Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos:

“O setor imobiliário é mais prejudicado, é bem sensível a alta dos juros. Não é por acaso que o setor imobiliário está caindo no ano, quase três vezes a queda do Ibovespa no mesmo período. As empresas de varejo também sentem um pouco, pois muitas pessoas compram no crédito, principalmente no segmento de eletrodomésticos”, afirma Cruz.

Mauro Morelli, estrategista chefe da Davos Investimentos:

“Os mais prejudicados são aqueles muito alavancados (endividados) ou que dependam de financiamento para vendas como o setor imobiliário”, diz Morelli.

Gabriel Cordeiro, assessor de investimentos da PHI Investimentos:

“A subida dos juros tende a desestimular o consumo, por isso, o varejo é um setor que sofre bastante com a alta dos juros. Empresas de construção ou endividadas que dependem do crédito também são prejudicadas, pois os empréstimos ficam mais caros”, afirma Cordeiro.

Quais setores da Bolsa são beneficiados com o aumento da Selic

Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos:

“Bancos e seguradoras são beneficiados com alta da Selic, até porque estamos prevendo mais altas da Selic até o final do ano”, afirma Cruz.

Mauro Morelli, estrategista chefe da Davos Investimentos:

“O setor mais beneficiado é o bancário”, diz Morelli.

Gabriel Cordeiro, assessor de investimentos da PHI Investimentos:

“Em geral, os bancos são beneficiados com a alta da Selic por causa do aumento dos spreads bancários. As seguradoras também são companhias impactadas positivamente, além das receitas com seguros, outra parte de suas receitas vem do rendimento de suas reservas”, diz Cordeiro.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App