O que é o aluguel de ações e como funciona?

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Existem operações na bolsa de valores que podem ser realizadas com ativos emprestados. Isso é possível por meio de uma prática do mercado financeiro chamada empréstimo de ativos — mais conhecida como “aluguel de ações”.

Por meio desse acordo entre partes são determinadas certas responsabilidades e os envolvidos têm a oportunidade de aproveitar algumas vantagens. Quer saber mais sobre como funciona e para que serve esse sistema de empréstimo na Bolsa (B3)?

Então continue a leitura e entenda o que é aluguel de ações, quais são suas vantagens e riscos e como qualquer investidor pode alugar ativos. Confira!

Como funciona o aluguel de ações?

O aluguel de ações é um mecanismo do sistema financeiro que permite facilitar certas operações em troca de uma remuneração ao doador da ação. Quem determina quais ativos podem sofrer empréstimo é a B3 — a bolsa de valores brasileira.

Essa estrutura de operações de empréstimo de ativos oferece vantagens a todas as partes envolvidas. Além disso, ela conta com a segurança jurídica de contratos supervisionados por autarquias e órgãos federais.

Com efeito, os objetivos desse processo dependem da perspectiva das partes. Quem empresta deseja remunerar sua propriedade. Quem toma emprestado, busca aproveitar estratégias no mercado por meio dessa operação.

Saiba mais!

Doador

Uma das partes fundamentais desse contexto contratual é o doador. É ele quem cede, em troca de uma remuneração, seus ativos para que outros investidores possam operar suas estratégias. Em outras palavras, o doador aluga seus ativos e recebe o aluguel por essa operação.

Assim, uma de suas responsabilidades é determinar o valor do aluguel e o prazo de vencimento do contrato. Isso pode ser feito considerando uma estratégia de remuneração de carteira de investimentos.

Tomador

O tomador, por sua vez, é a parte que aluga os ativos e remunera o doador. Ou seja, o tomador é quem paga o aluguel pelo ativo emprestado. Para isso, ele precisa apresentar garantias que aumentem a segurança do acordo. Elas podem ser títulos do Tesouro, dinheiro e até outras ações.

Como são os contratos?

Os contratos de aluguéis de ativos envolvem diversos agentes, e tudo é administrado pela plataforma jurídica vinculada à B3. Assim, existem alternativas de acordos que podem privilegiar tanto o doador quanto o tomador do empréstimo.

De qualquer maneira, o fundamento dessa operação assegura todos os direitos ao doador. Ele não arca com nenhum tipo de custo nem perde o benefício de proventos e bonificações relativos à propriedade do ativo.

Já o tomador é o mais comprometido. Ele deve pagar pelo empréstimo, oferecer a garantia e, ao fim do prazo, devolver os ativos. Nesse sentido, existem contratos:

  • reversíveis ao doador: quando o doador pode cancelar o contrato a qualquer momento;
  • reversíveis ao tomador: quando o tomador pode cancelar o contrato a qualquer momento, devendo devolver o ativo em poucos dias;
  • reversíveis a doador e tomador: quando ambas as partes podem cancelar o contrato a qualquer momento;
  • irreversíveis, ou fixos: quando não é possível cancelar o contrato, sendo necessário aguardar o vencimento estabelecido.

Quais são as vantagens do aluguel de ações?

Agora que você sabe como funciona uma operação de empréstimo de ativos é o momento de entender quais são as principais vantagens dele. A seguir, confira os benefícios de quem empresta e quem toma emprestado ativos no mercado da bolsa de valores!

Maior rentabilidade sobre o ativo

É comum que investidores construam seu portfólio para o longo prazo. Com isso, seus resultados dependem da maturação dos investimentos. Mas o aluguel é uma oportunidade de ser remunerado ao ceder direitos de propriedade a quem tenha interesse em negociá-los temporariamente.

Dessa forma, o doador pode fazer uma oferta de seus ativos para aluguel, com remuneração e vencimento determinados. Essa é uma forma de aproveitar a propriedade de ativos para potencializar ainda mais a rentabilidade de um portfólio.

Estratégia de curtíssimo prazo

Em relação aos tomadores, a vantagem é ampliar as possibilidades de ganhos no curtíssimo prazo. Uma das possibilidades permitidas pelo aluguel de ações é a venda a descoberto —também conhecida como posição “short”.

Muito comum em day trade, uma venda a descoberto acontece quando um investidor ou trader vende ativos emprestados na expectativa de que os preços caiam. Assim, ele pode obter lucro na operação ao recomprá-los a um preço inferior.

Desse modo, o aluguel dá possibilidade ao investidor de curtíssimo prazo de buscar lucro em momento de baixa da bolsa de valores. Além disso, ativos emprestados servem a outras possibilidades. Por exemplo, para depósito de garantia em outras operações.

Quais são os riscos do aluguel de ações?

Apesar das vantagens destacadas, essa é uma operação de compromisso entre partes. Ela demanda atenção, especialmente dos tomadores, pois existem riscos significativos que devem ser avaliados antes da tomada de decisão.

Entenda melhor a seguir!

Imobilização de capital

Dependendo do tipo de contrato firmado, doador e tomador devem assumir por maior ou menor período a imobilização de capital. O doador, em certos contratos, não pode contar com seus ativos durante a vigência do acordo.

Já o tomador imobiliza recursos ao fornecer a garantia, que fica sob custódia até a cumprimento das determinações do contrato.

Prejuízo financeiro

Embora o doador não tenha custos e esteja assegurado pela B3 sobre seus principais direitos de propriedade, quem toma emprestado corre risco de prejuízo financeiro. Evidentemente, isso deve ser feito de maneira calculada para limitar tal possibilidade.

Porém, em um movimento não previsto do mercado é possível que os preços aumentem e o tomador tenha perdas. Ademais, não devolver o ativo emprestado implica na liquidação da garantia de modo a reaver ao tomador o ativo que havia cedido para aluguel.

É preciso considerar, ainda, que o tomador imediatamente assume os custos com taxas, tributos e o aluguel.

Como alugar ações?

Depois de todas essas informações, como você poderia alugar ou tomar ativos emprestados? Isso acontece por intermediação da B3 e da corretora de valores ou banco de investimento. Você deve informar o seu interesse em ceder ações para aluguel ou tomar papéis emprestados.     

Como você pode ver, o aluguel de ações é uma operação complexa dentro do sistema financeiro. Mas também pode ser interessante para quem deseja executá-la. Lembre-se, no entanto, de que a oportunidade merece uma avaliação dos seus objetivos e perfil de investidor.

Que tal agora aprender como declarar os impostos do aluguel de ações e outros investimentos de renda variável? Acesse nosso tutorial completo sobre Imposto de Renda na bolsa de valores!

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App