Investimento em ações bate inflação acumulada em 12 meses até 31 de agosto

Share on twitter
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Nos últimos 12 meses até 31 de agosto de 2021, o investimento em renda variável (ações) foi o único a bater a inflação oficial do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com dados divulgados no último boletim mensal da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), relativo ao mês de agosto de 2021, a carteira do Ibovespa – o principal índice de ações da bolsa de valores brasileira (B3) – teve uma valorização nominal de 19,54% em 12 meses, enquanto o IPCA alcançou 9,68% de aumento no mesmo período. Em igual tempo de comparação, o índice BDRX – que reúne os recibos de ações estrangeiras mais negociados no Brasil, também avançou 18,86%, praticamente o dobro da inflação.

Na prática, o investidor pessoa física que aportou, por exemplo, num ETF (Exchange Traded Fund) – fundo de índice que acompanha ações da bolsa brasileira ou do índice S&P 500 (com BDRs de empresas estrangeiras) – teve ganhos reais acima da inflação, antes da cobrança da alíquota do imposto de renda (IR) sobre ganhos de capital.

Verifique abaixo a rentabilidade nominal dos ETFs de índices da B3* versus IPCA em 12 meses:

SPXI11 + 24,0% (S&P 500)

IVVB11 +23,9% (S&P 500)

BBOV11 + 20,6% (Ibovespa)

Ibovespa + 19,54%

BDRX + 18,86%

PIBB11 + 18,7% (IBRX-50)

BOVB11 + 16,2% (Ibovespa)

BRAX11 + 17,4% (IBRX-100)

GOVE11 + 17,3% (Índice de Governança Corporativa Trade)

DIVO11 +17,0% (Índice de Dividendos)

BOVA11 +16,0% (Ibovespa)

XBOV11 +16,0% (Ibovespa)

SMAL11 +14,6% (Índice de Small Caps)

SMAC11 +13,8% (Índice de Small Caps)

FIND11 +11,3% (Índice Financeiro)

IPCA + 9,68%

Além de rentáveis, os ETFs estão atraindo recursos dos investidores. Segundo o boletim de fundos da Anbima, os ETFs apresentaram R$ 2,5 bilhões em entrada líquida no mês de agosto de 2021, superando o resultado de maio (R$ 2,1 bilhões), que era o maior saldo mensal para a classe no ano. Dessa forma, a categoria alcançou R$ 4,4 bilhões em captação líquida de janeiro a agosto de 2021, ficando somente atrás de 2019 com R$ 7,8 bilhões.

(*) Fonte: B3 – Ainda de acordo com as orientações de mercado, vale destacar que a rentabilidade passada – nos últimos 12 meses – não significa perspectiva de retornos similares ou maiores no futuro, e que o investimento em ações é voltado para investidores com horizonte de médio e longo prazo e com perfil de risco moderado e arrojado (agressivo), que suportam a volatilidade (sobe e desce constante) do preço das ações no curto prazo.

Confira abaixo a rentabilidade nominal das aplicações* que perderam para o IPCA em 12 meses:

Poupança +1,84%

Fundo Simples +1,96%

Fundo RF Selic +2,08%

Tesouro Selic +2,43%

CDB DI + 2,74%

Fundo DI Livre + 4,06%

Dólar – 5,99%

Ouro -12,85%

(*) Fonte: Anbima. Observação: a única subcategoria de fundo de renda fixa que teve rentabilidade nominal acima da inflação foi a RF de duração alta e grau de investimento, com retorno de 12,42% em 12 meses até 31 de agosto de 2021, também voltada para investidores com horizonte de longo prazo e que toleram a volatilidade no curto prazo.

Tributação de ações e de ETFs de renda variável

O recolhimento do imposto de renda sobre ganhos de capital de ETFs de índices de ações locais e internacionais é semelhante ao de ações, mas sem o limite de isenção fiscal de R$ 20 mil por mês, válido apenas para quem investe diretamente em ações de empresas brasileiras listadas na B3.

Ou seja, se o investidor compra num preço menor e vende depois num preço maior, registra lucro pelo ganho de capital. Essa tributação é exatamente como funciona para investimento em ações. Se o aplicador vende o ETF de ações e registra o lucro, o recolhimento do IR deve ser feito pelo próprio investidor via DARF até o último dia útil do mês seguinte.

As cotas dos ETFs de renda variável negociadas na B3 são tributadas em 15% sobre o ganho de capital em operações normais (em daytrade, a tributação é de 20%), apurado pela diferença positiva entre os valores de venda e de compra da cota.

Salvo investimentos isentos pela legislação (poupança, fundos imobiliários, FIAGRO, CRI, CRA e debêntures de infraestrutura), as demais aplicações de renda fixa são tributadas de acordo com uma tabela regressiva, de acordo com o tempo de permanência do investidor. Exemplo, um fundo DI só alcança a alíquota mínima de 15% do IR sobre ganhos de capital a partir de 2 anos de permanência no investimento.

Facilidade do aplicativo Grana

O investidor pessoa física que possui o aplicativo Grana não precisa se preocupar em anotar o preço de compra ou de venda de um ETF de renda variável para calcular o IR sobre ganho de capital. O aplicativo Grana faz isso de forma automática e gera o DARF para pagamento, facilitando a vida do aplicador, que estará em dia com a Receita Federal. Se você ainda não possui o Grana, é só baixar o aplicativo e seguir todos os passos para não ter o risco de cair na malha fina do Leão do imposto de renda.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fique por dentro!

Receba notícias como esta no seu e-mail.

Receba em primeira mão nossas novidades

Assine nossa Newsletter

Baixe já nosso App